Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

06/09/2016

Dieta ocidental pode explicar aumento de Alzheimer

Redação do Diário da Saúde
Dieta ocidental pode explicar aumento da incidência de Alzheimer
A Dieta da Mente evita o declínio cognitivo, mesmo permitindo alguns "pecados alimentares".[Imagem: Rusch University Medical Center]

Alzheimer e dieta

Os diagnósticos da doença de Alzheimer estão aumentando em todo o mundo, estimando-se que 42 milhões de pessoas tenham a doença atualmente, tornando o mal de Alzheimer o tipo mais comum de demência.

Em busca de explicações para esse crescimento, cientistas alertam agora que os fatores de risco mais importantes para o Alzheimer parecem estar ligados à dieta, especialmente ao consumo de carnes, doces e produtos lácteos com altos teores de gordura que caracterizam a dieta ocidental.

Essa conclusão veio depois que uma equipe internacional analisou toda a literatura médica e científica disponível até hoje e, a partir desses dados, desenvolveu um novo estudo com base na prevalência da doença de Alzheimer em 10 países (Brasil, Chile, Cuba, Egito, Estados Unidos, Índia, Mongólia, Nigéria, República da Coreia e Sri Lanka), levando em conta dados sobre as dietas nesses países 5, 10, e 15 anos antes dos dados de prevalência da doença.

Carne e produtos de origem animal

As maiores correlações com a prevalência da doença de Alzheimer foram detectadas em relação ao consumo de carne e produtos de origem animal (exceto leite) 5 anos antes da prevalência da doença de Alzheimer.

Por outro lado, o consumo consistente de frutas, legumes, grãos, produtos lácteos com baixo teor de gordura, legumes e peixes se mostraram associados com um risco reduzido de se ter Alzheimer.

Dieta ocidental pode explicar aumento da incidência de Alzheimer
As carnes grelhadas vêm sendo associadas a um maior risco de demência devido à produção de compostos químicos mutagênicos. Por sua vez, a OMS alerta que as carnes industrializadas também são cancerígenas. [Imagem: Heather Luis/USDA]

A equipe cita o exemplo do Japão, onde uma transição nutricional da dieta tradicional japonesa para a dieta ocidental fez com que as taxas de doença de Alzheimer aumentassem de 1% em 1985 para 7% em 2008, com os diagnósticos reagindo a mudanças na dieta em um intervalo maior, próximo dos 20 anos.

Dieta ocidental

"Reduzir o consumo de carne pode reduzir significativamente o risco de doença de Alzheimer, bem como de vários tipos de câncer, diabetes tipo 2, derrame e, provavelmente, doença renal crônica," afirmou o professor William Grant, do Centro de Pesquisas em Saúde e Nutrição de São Francisco (EUA).

"Embora a dieta mediterrânea tradicional esteja associada a cerca de metade do risco de doença de Alzheimer da dieta ocidental, as dietas tradicionais de países como a Índia, Japão e Nigéria, com consumo de carne muito baixo, estão associadas a uma redução adicional de 50% na risco de doença de Alzheimer."

Os resultados foram publicados no Journal of the American College of Nutrition.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Dietas e Emagrecimento

Cérebro

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?