Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

15/07/2015

Dieta que imita o jejum melhora quase tudo

Redação do Diário da Saúde
Dieta que imita o jejum melhora quase tudo
A dieta que imita o jejum foi adotada em ciclos bimestrais de quatro dias. [Imagem: Bob Nichols/USC]

Dieta que imita o jejum

Quer perder gordura abdominal, ficar intelectualmente mais ligado e viver mais tempo?

Valter Longo e seus colegas da Universidade do Sul da Califórnia encontraram uma forma de fazer tudo ao mesmo tempo sacrificando-se apenas quatro dias por mês.

Os benefícios foram obtidos com a adoção de uma dieta que imita os efeitos do jejum.

A equipe demonstrou que a adoção dos ciclos de uma dieta de baixos teores calóricos que imita o jejum diminui a gordura visceral da barriga e eleva o número de células progenitoras e células-tronco em vários órgãos, incluindo o cérebro, onde se verificou a regeneração neural e uma melhor aprendizagem e memória.

Ganhos do jejum

O estudo foi realizado em "três camadas", com testes feitos com levedura, camundongos e seres humanos.

A levedura, que são organismos mais simples, permitiu descobrir os mecanismos biológicos que o jejum dispara em nível celular. Os camundongos, que têm tempos de vida relativamente curtos, forneceram detalhes sobre os efeitos do jejum ao longo da vida. E um estudo piloto com seres humanos encontrou indícios de que os estudos feitos nas leveduras e nos camundongos eram, de fato, aplicáveis aos seres humanos.

A dieta que imita o jejum foi adotada em ciclos bimestrais de quatro dias.

Ela teve como efeito aumentar o tempo de vida, reduzir a incidência de câncer, melhorar o sistema imunológico, reduzir as doenças inflamatórias, retardar a perda da densidade mineral óssea e melhorar as habilidades cognitivas.

Dieta sem receita

A ingestão total de calorias mensal foi a mesma para os grupos da dieta do jejum e de controle, indicando que os efeitos não foram resultado de uma restrição alimentar global.

A dieta reduz a ingestão calórica para algo entre 34 e 54% do normal, com uma composição específica de proteínas, carboidratos, gorduras e micronutrientes.

Infelizmente, os pesquisadores parecem bastante ciosos da formulação da sua dieta que imita o jejum, não dando qualquer detalhe sobre a constituição e os alimentos adotados - eventualmente por interesse de uma futura comercialização.

Além disso, eles alertam que nem todas as pessoas têm saúde ou constituição física adequada à adoção do jejum, ainda que periódico, e que qualquer tentativa nesse sentido deve ser feita com acompanhamento médico - eles desaconselham particularmente a substituição dos alimentos por água.


Ver mais notícias sobre os temas:

Dietas e Emagrecimento

Alimentação e Nutrição

Cérebro

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão