Dilemas morais: Nós somos mais ou menos morais do que pensamos?

Moralidade

Frente à pergunta se seríamos capazes de roubar, a maioria de nós responderia que não.

E será que tentaríamos salvar uma pessoa que estivesse se afogando?

Isso depende - pode ser que não saibamos nadar ou que tenhamos medo de ondas grandes.

Muitas pesquisas têm explorado os caminhos que trilhamos para tomar nossas decisões morais.

Mas o que realmente importa é, quando a situação real se coloca, será que nossas previsões coincidem com as ações que tomamos de fato?

Previsão moral e ação moral

Para abordar esta questão, cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, analisaram a diferença entre a previsão moral e a ação moral - e as razões por trás das incompatibilidades entre as duas.

E os resultados são encorajadores: os participantes agiram de forma considerada mais moral do que eles próprios haviam previsto.

O estudo foi publicado na revista especializada Psychological Science.

O problema é que esta não é uma conclusão definitiva - na verdade, outros estudos já haviam concluído o contrário.

O papel das emoções

Então, qual é o elo perdido entre o raciocínio moral e a ação moral?

Para os pesquisadores, a resposta definitiva é a emoção.

Emoções - medo, culpa etc - desempenham um papel central em todos os nossos pensamentos e comportamentos, incluindo o comportamento moral.

Contudo, quando as pessoas estão pensando em como elas vão agir, elas não têm uma noção adequada da intensidade das emoções que vão sentir na hora do aperto.

É por isso, segundo os pesquisadores, que as pessoas julgam mal o que vão fazer em uma situação.

Dilema moral

Para este estudo, três grupos de estudantes responderam um teste de matemática com 15 questões, sendo prometido um prêmio de US$5,00 para 10 respostas certas ou mais.

Um dos grupos foi informado de que uma falha no software faria com que a resposta correta aparecesse na tela se eles pressionassem a barra de espaço - e ninguém mais ficaria sabendo disso.

Outro grupo ouviu esse dilema moral, devendo prever se os colegas cederiam à tentação de apertar a tecla de espaço ou não.

O terceiro grupo apenas fez o teste, sem a oportunidade de trapacear.

Indicadores de emoção

Durante o teste, eletrodos mediam a força das contrações cardíacas dos participantes, o ritmo dos batimentos cardíacos, sua respiração e o suor em suas mãos - indicadores que aumentam com a emoção.

Nenhuma surpresa: aqueles que estavam enfrentando o dilema real - os do primeiro grupo - demonstraram os maiores níveis de emotividade.

E suas emoções os levaram a fazer a coisa certa e se abster de trapacear.

Os estudantes do segundo grupo se sentiram mais calmos e previram erradamente que seus colegas trapaceariam bastante.

Os estudantes que fizeram o teste sem nenhuma oportunidade de trapacear permaneceram calmos, indicando que a excitação sentida pelos alunos do primeiro grupo devia-se exclusivamente ao dilema moral que eles estavam vivendo.

Conflito de emoções

Agora os cientistas planejam repetir o experimento com prêmios mais altos, para ver se as emoções entram em conflito e o potencial de um grande ganho supera o medo associado com a trapaça.

"Desta vez nós tivemos um quadro róseo da natureza humana," afirmou Michael Inzlicht, coautor do estudo. "Mas a conclusão essencial é: são as emoções que o levam a fazer a coisa certa ou a coisa errada."


Ver mais notícias sobre os temas:

Emoções

Sentimentos

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.