Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/04/2014

Diretrizes tentam reduzir número de cesáreas nos EUA

Com informaçõs da BBC

A preocupação com a alta taxa de cesarianas nos Estados Unidos levou à publicação recente de novas diretrizes sobre o tema por duas das principais sociedades médicas do país.

Atualmente, um em cada três partos realizados nos Estados Unidos é feito por meio da cirurgia e essa taxa vem aumentando desde 1996.

Por isso, em fevereiro deste ano, o Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia (ACOG, na sigla em inglês) e a Sociedade de Medicina Materno-Fetal (SMFM) divulgaram em conjunto uma série de novas recomendações.

Segundo o documento, a taxa de mortalidade entre mulheres submetidas a cesariana é de 13 mortes em cada 100 mil mulheres, mais de três vezes maior do que em partos normais.

O presidente da SMFM, Vincenzo Berghella, reconhece que em alguns casos a cesariana é realmente a melhor opção.

No entanto, o médico diz que, na maioria dos casos, em que a gravidez é de baixo risco, "a cesariana pode representar um risco maior do que o parto normal", especialmente em relação a futuras gestações.

Como evitar as cesarianas

As duas entidades pedem aos médicos para esperar mais pelo nascimento do bebê durante o parto normal e para que eles tentem outras alternativas para ajudar no parto antes de recorrer à cesárea.

"Muitas mulheres podem simplesmente precisar de um pouco mais de tempo em trabalho de parto para dar à luz de maneira natural," diz Aaron Caughey, membro do comitê responsável pelas novas diretrizes.

Entre as recomendações estão a de que os médicos usem pressão externa para tentar reposicionar o bebê quando este não estiver de cabeça para baixo, em vez de recorrer imediatamente à cesárea.

O documento também afirma que médicos não devem optar pela cesariana automaticamente em casos em que o bebê for muito grande.

Segundo as diretrizes, é preciso permitir que a mulher faça força para empurrar o bebê por pelo menos duas horas, se já tiver dado à luz anteriormente, ou três horas, se for seu primeiro parto.

Em determinados casos, como quando há anestesia peridural, esse tempo pode ser ainda maior.

Outra recomendação é recorrer a técnicas que auxiliem na realização do parto normal, inclusive o uso de fórceps.

Campeonato de cesarianas

Em 1996, a taxa de cesariana nos EUA era de 20,7%. Nos 13 anos seguintes, deu um salto, chegando a 32,9% em 2009 e permanecendo nesse patamar desde então.

No Brasil, 52% dos partos feitos por cesarianas, o que faz do país o campeão mundial de cesáreas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Gravidez

Cirurgias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?