Diretrizes tentam reduzir número de cesáreas nos EUA

A preocupação com a alta taxa de cesarianas nos Estados Unidos levou à publicação recente de novas diretrizes sobre o tema por duas das principais sociedades médicas do país.

Atualmente, um em cada três partos realizados nos Estados Unidos é feito por meio da cirurgia e essa taxa vem aumentando desde 1996.

Por isso, em fevereiro deste ano, o Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia (ACOG, na sigla em inglês) e a Sociedade de Medicina Materno-Fetal (SMFM) divulgaram em conjunto uma série de novas recomendações.

Segundo o documento, a taxa de mortalidade entre mulheres submetidas a cesariana é de 13 mortes em cada 100 mil mulheres, mais de três vezes maior do que em partos normais.

O presidente da SMFM, Vincenzo Berghella, reconhece que em alguns casos a cesariana é realmente a melhor opção.

No entanto, o médico diz que, na maioria dos casos, em que a gravidez é de baixo risco, "a cesariana pode representar um risco maior do que o parto normal", especialmente em relação a futuras gestações.

Como evitar as cesarianas

As duas entidades pedem aos médicos para esperar mais pelo nascimento do bebê durante o parto normal e para que eles tentem outras alternativas para ajudar no parto antes de recorrer à cesárea.

"Muitas mulheres podem simplesmente precisar de um pouco mais de tempo em trabalho de parto para dar à luz de maneira natural," diz Aaron Caughey, membro do comitê responsável pelas novas diretrizes.

Entre as recomendações estão a de que os médicos usem pressão externa para tentar reposicionar o bebê quando este não estiver de cabeça para baixo, em vez de recorrer imediatamente à cesárea.

O documento também afirma que médicos não devem optar pela cesariana automaticamente em casos em que o bebê for muito grande.

Segundo as diretrizes, é preciso permitir que a mulher faça força para empurrar o bebê por pelo menos duas horas, se já tiver dado à luz anteriormente, ou três horas, se for seu primeiro parto.

Em determinados casos, como quando há anestesia peridural, esse tempo pode ser ainda maior.

Outra recomendação é recorrer a técnicas que auxiliem na realização do parto normal, inclusive o uso de fórceps.

Campeonato de cesarianas

Em 1996, a taxa de cesariana nos EUA era de 20,7%. Nos 13 anos seguintes, deu um salto, chegando a 32,9% em 2009 e permanecendo nesse patamar desde então.

No Brasil, 52% dos partos feitos por cesarianas, o que faz do país o campeão mundial de cesáreas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Gravidez

Cirurgias

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.