Doação de órgãos ganha apoio da população no RJ

Doe+Vida

Pela primeira vez em cinco anos o Rio de Janeiro ultrapassou 60% de autorizações de integrantes diretos de famílias na doação de órgãos de pacientes com morte encefálica.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, nos três primeiros meses do ano o percentual atingiu 64,5%, o mais alto patamar desde a criação do Programa Estadual de Transplantes (PET), em 2010.

O secretário Felipe Peixoto disse que o aumento é em consequência da conscientização da população.

Para incentivar as doações, a secretaria lançou, em abril, a campanha "Doe+Vida", que esclarece sobre a importância de discutir a doação de órgãos. Com ela, foi criado também o site doemaisvida.com.br, para os interessados poderem se declarar doadores, fazer o cadastro e imprimir o cartão virtual Doe+Vida.

De acordo com o coordenador do PET, Rodrigo Sarlo, outro fator importante para a elevação das autorizações é a estrutura do sistema de doação de órgãos e transplantes no estado. É preciso, segundo ele, ter uma estrutura com profissionais treinados e habilitados a trabalhar em todas as etapas do processo.

Autorização da doação de órgãos

Entre os motivos mais comuns para que a doação de órgãos não seja autorizada, está a falta de consenso entre os parentes. Muitas vezes, disse Sarlo, eles não sabem da vontade do paciente.

Além disso, há uma falta de compreensão de que a morte encefálica é um diagnóstico irreversível.

O coordenador lembrou que, conforme a legislação brasileira, somente pessoas diretas das famílias podem permitir a doação de órgãos de pacientes com morte encefálica.

Qualquer cidadão que deseja declarar a vontade e ser doador se inscreve no site, a informação vai para o banco de dados e o sistema pode avisar à família, mas lembrando que o que vale é a autorização da família, independente de qualquer coisa.


Ver mais notícias sobre os temas:

Transplantes

Cirurgias

Espiritualidade

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.