Doença de Chagas só será controlada mundialmente em 20 anos

Doença de Chagas só será controlada mundialmente em 20 anos
Pesquisador emérito da Fiocruz, José Rodrigues Coura enfatiza o compromisso social dos cientistas com a saúde pública brasileira.
[Imagem: Gutemberg Brito]

Otimismo

"Acredito que nos próximos 20 anos haverá um controle mundial da doença de Chagas". O prognóstico positivo é feito pelo especialista em epidemiologia clínica das doenças infecciosas e parasitárias José Rodrigues Coura, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Há 50 anos pesquisando Chagas, o médico percebe o atual cenário de contenção da doença com otimismo, mas reforça: "é preciso perseverança e compromisso para atingir esta meta".

O Brasil foi pioneiro nas ações regulares de contenção da doença, a partir de 1983. A iniciativa foi seguida por outros países e estimulou a criação de redes de vigilância no Cone Sul, em 1991, nos países andinos, em 1997, na América Central e no México, em 1998, e nos países amazônicos, em 2004. De acordo com Coura, as redes matêm contato permanente por meio da troca de informações em encontros anuais, apoiados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização Panamericana de Saúde (Opas).

Rede mundial contra a Doenças de Chagas

A rede de vigilância foi fortalecida recentemente com o ingresso de países não endêmicos, como Espanha, Suíça, França, Japão, Austrália, Canadá e Estados Unidos, num movimento que reflete as mudanças do perfil epidemiológico da afecção. A migração de pessoas infectadas tem contribuído para a disseminação da doença nos países desenvolvidos, que até então não estavam preparados para identificar pacientes chagásicos em circunstâncias como transfusões sanguíneas e transplantes de órgãos.

Para Coura, a internacionalização da doença de Chagas tem gerado um novo problema epidemiológico, econômico, social e político. "Será necessário conter a transmissão, prestar assistência médica aos chagásicos e efetivar um controle adicional de bancos de sangue, em países com pouca experiência no assunto", reforça.

As conquistas de toda esta mobilização começaram a aparecer nos primeiros anos do século 21. Em 2006, o Brasil foi certificado pela Opas por ter controlado a transmissão pelo Triatoma infestans, espécie de triatomíneo, vetor da doença de Chagas, que se adaptou ao ambiente domiciliar em diversos estados brasileiros. No mesmo período, Chile e Uruguai receberam esta certificação, que se tornou uma meta para outros países da América do Sul, como Paraguai e Argentina.

Novos desafios na região amazônica

Na década de 1970, Coura foi um dos primeiros pesquisadores a investigar a doença de Chagas na Amazônia brasileira. O trabalho, ampliado com a participação de outros pesquisadores do IOC/Fiocruz, trouxe contribuições significativas para os estudos nesta área de conhecimento. Atualmente, as pesquisas realizadas no laboratório de doenças parasitárias, chefiado por Coura, são focadas na dinâmica de transmissão da doença de Chagas na região amazônica, com eixos que investigam desde a transmissão oral, por meio de frutos contaminados, até metodologias para contenção da doença.

O pesquisador ressalta que a Amazônia apresenta uma forma de infecção diferente da doença de Chagas. "A forma silvestre infecta o homem não porque o barbeiro esteja domiciliado nas casas, mas porque o homem entra em contato com o triatomíneo, ou se infecta por via oral, tomando sucos contaminados por T. cruzi", explica. Este fator dificulta o controle da doença na região, pois das 130 espécies de vetores potenciais de T. cruzi conhecidas, cerca de 52 espécies domiciliares já foram identificadas no Brasil e outras 47 espécies silvestres matêm seu ciclo na natureza entre mamíferos.O especialista alerta para um cuidado especial a ser adotado nas áreas de expansão da fronteira agrícola, invasões e entradas em ambiente silvestre como a Amazônia e a Mata Atlântica, acentuadamente nos processos de ocupação destes locais e na vigilância sobre eventuais doenças ocorridas nestas áreas.

Técnica, política e gerenciamento

Para Coura, o desafio do controle da doença de Chagas consiste no equacionamento de aspectos técnicos e político-administrativos de um sistema permanente e sustentável de vigilância epidemiológica, com características de descentralização, constante supervisão e ampla participação comunitária.

A interação desta estratégia com entidades internacionais de saúde garantirá o sucesso das ações no combate à doença, afirma o pesquisador. Outros fatores importantes para potencializar estas ações, segundo Coura, são a melhoria das habitações (e do peridomicilio), a educação sanitária da população exposta e o tratamento dos casos agudos e crônicos recentes de infecção, complementados pela vigilância.

Trabalho e reconhecimento

Coura aplicou pela primeira vez, na década de 1960, a nitrofurazona em casos crônicos de pacientes chagásicos, buscando pioneiramente uma terapia específica para a doença. Em seguida iniciou expedições pelo Brasil, passando pelas regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Norte com sua equipe para estudar a doença de Chagas, suas mudanças e evolução.

Hoje, aos 81 anos, tem uma agenda ativa, que inclui palestras em fóruns nacionais e internacionais, reuniões e bancas de mestrado e doutorado, além das aulas que ministra nos cursos da pós-graduação do Instituto Oswaldo Cruz. Teve seu trabalho reconhecido ao longo da carreira acumulando honrarias como a Gran Cruz do Mérito Científico, concedida, em 2008, pela Presidência de República, e a Medalha do Centenário de Pirajá da Silva, do Ministério da Saúde. É também professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador emérito da Fiocruz.

Quando questionado sobre suas perspectivas para o futuro das investigações científicas em Chagas ele é objetivo: "Os pesquisadores brasileiros devem somar sua criatividade e energia para trabalhar nas causas da saúde pública do nosso país, ter compromisso social com o seu trabalho", conclui.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gestão em Saúde

Medicamentos

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.