Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

31/12/2011

Fiocruz faz avanços em doença transmitida por caramujos

Redação do Diário da Saúde
Fiocruz faz avanços em doença transmitida por caramujos
Os resultados recentes da pesquisa representam o primeiro passo na busca de proteínas candidatas para ensaios de diagnóstico e tratamento da angiostrongilíase abdominal. [Imagem: Karina M. Rebello/Rubem Menna Barreto/IOC]

Angiostrongilíase abdominal

Pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), decifraram o perfil proteômico do parasita Angiostrongylus costaricensis.

Esse helminto causa uma inflamação intestinal aguda, conhecida como angiostrongilíase abdominal.

A doença, transmitida por moluscos terrestres, como o caramujo africano, tem difícil diagnóstico já que, por possuir uma sintomatologia pouco específica, pode ser confundida com outras helmintoses.

Os resultados recentes representam o primeiro passo na busca de proteínas candidatas para ensaios de diagnóstico e tratamento desta infecção.

Possíveis alvos

O trabalho descreve as proteínas mais abundantes expressas por estes parasitos, identificando parcialmente suas proteínas antigênicas - potenciais candidatas a alvos para o desenvolvimento de novas alternativas para o diagnóstico.

Até o momento, poucas análises concentraram suas atenções sobre o A. costaricensis, causador da angiostrongilíase abdominal.

Devido à ausência de ferramentas de diagnóstico, a angiostrongilíase abdominal é considerada uma doença sub-diagnosticada. O fato é que poucos médicos conhecem a doença.

Um dos últimos artigos assinados pelo pesquisador Henrique Leonel Lenzi, que faleceu em setembro deste ano, a pesquisa foi publicada no Journal of Proteomics.

Quando o tratamento faz mal

De acordo com Ana Gisele Ferreira, uma das autoras do estudo, um grande complicador no caso da angiostrongilíase abdominal é a falta de tratamento específico.

"Os anti-helmínticos utilizados para o tratamento da angiostrongilíase abdominal acabam sendo os mesmos normalmente empregados no tratamento de outras helmintoses", diz.

Infelizmente, em vez de matar o parasito a medicação tem efeito irritante sobre o A. costaricensis, fazendo com que ele migre das artérias mesentéricas, onde costuma se alojar, para outros órgãos.

Isto pode resultar em problemas mais sérios, como, por exemplo, tromboses.

Assim, o próprio tratamento com anti-helmínticos, por ser ineficaz contra o A. costarisensis, pode levar ao agravamento do quadro clínico do paciente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Diagnósticos

Desenvolvimento de Medicamentos

Infecções

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?