Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/05/2014

Preste atenção: radicais livres retardam envelhecimento, antioxidantes aceleram envelhecimento

Redação do Diário da Saúde
Efeitos dos radicais livres e antioxidantes sobre envelhecimento
"As pessoas acreditam que os radicais livres são prejudiciais e causam envelhecimento, mas a tal teoria dos radicais livres do envelhecimento é incorreta," afirma categoricamente o Dr. Siegfried Hekimi.[Imagem: Mcgill University]

Mito dos antioxidantes

Você já ouviu muitas vezes, e ainda vai ouvir outras tantas, que os radicais livres causam o envelhecimento e fazem mal à saúde, enquanto os antioxidantes têm o efeito inverso.

Tudo estaria bem se isto estivesse cientificamente comprovado.

O problema é que é muito difícil corrigir um erro no qual muitos acreditam - ainda mais quando esse erro é repetido à exaustão pela mídia e por muitos cientistas que não se atualizam muito bem.

De fato, muito se apregoa que os radicais livres são tóxicos e que os antioxidantes podem contrabalançar seus efeitos.

Agora os cientistas explicam que isso se deve ao fato de que as pesquisas iniciais na área mostraram que a quantidade de radicais livres no corpo aumenta durante o envelhecimento.

O erro é básico: associação é muito diferente de causalidade - em outras palavras, os radicais livres podem estar lá não causando o envelhecimento, mas ajudando o corpo a defender-se dele.

De fato, um grande número de estudos recentes produziu provas contundentes de que a verdade parece ser justamente o oposto do que se apregoa.

O Dr. James Watson, um dos ganhadores do Prêmio Nobel pela descoberta do DNA, é uma dos maiores contestadores do mito dos radicais livres e antioxidantes, defendendo que os antioxidantes não retardam o envelhecimento e ainda podem causar câncer.

Radicais livres contra a morte celular

Agora, pesquisadores da Universidade McGill (Canadá) deram mais uma demonstração de como os radicais livres promovem a longevidade.

Em total acordo com os estudos mais recentes, a equipe descobriu que os radicais livres - também conhecidos como oxidantes - agem em um mecanismo molecular chamado apoptose, ou morte celular programada.

A morte celular programada é um processo pelo qual células danificadas se autodestroem, o que ocorre em uma variedade de situações: para evitar tornar-se cancerosas, para evitar induzir doenças autoimunes ou para matar vírus que as invadiram.

O mecanismo molecular principal pelo qual isso acontece agora é bem conhecido em todos os animais, mas foi descoberto pela primeira vez - uma descoberta que resultou em um Prêmio Nobel - no nematoide C. elegans, um dos animais mais estudados devido à sua simplicidade.

Efeitos dos radicais livres e antioxidantes sobre envelhecimento
A elevação da produção de radicais livres no animal modelo resulta em um aumento substancial do tempo de vida. [Imagem: Callista Yee et al./10.1016/j.cell.2014.02.055]

Radicais livres contra o envelhecimento

Os pesquisadores usaram o mesmo modelo animal para descobrir que esse mesmo mecanismo, quando estimulado de maneira correta pelos radicais livres, na verdade reforça as defesas das células, aumentando sua "vida útil" - as células vivem mais.

"As pessoas acreditam que os radicais livres são prejudiciais e causam envelhecimento, mas a tal 'teoria dos radicais livres do envelhecimento' é incorreta," afirma categoricamente o Dr. Siegfried Hekimi, autor sênior do estudo.

"Nós viramos essa teoria de cabeça para baixo, provando que a produção de radicais livres aumenta durante o envelhecimento porque os radicais livres, na verdade, combatem - e não causam - o envelhecimento. De fato, em nosso organismo modelo nós podemos elevar a produção de radicais livres e, assim, aumentar substancialmente seu tempo de vida," acrescenta Hekimi.

Os resultados, além de desmistificar a crença corrente, têm implicações importantes.

"Mostrar os mecanismos moleculares reais pelos quais os radicais livres podem têm um efeito pró-longevidade fornece novas evidências fortes de seus efeitos benéficos como moléculas de sinalização. Isso também significa que a sinalização da apoptose pode ser usada para estimular os mecanismos que retardam o envelhecimento," conclui o pesquisador.


Ver mais notícias sobre os temas:

Terceira Idade

Alimentação e Nutrição

Cuidados com a Pele

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento