Cientistas encontram elo perdido do Mal de Alzheimer

Pesquisadores da Universidade de Yale (EUA) descobriram uma proteína que parece ser o elo perdido na complexa cadeia de eventos que levam à doença de Alzheimer.

Eles descobriram que bloquear essa proteína com um medicamento já existente restaura a memória - o experimento foi feito em cobaias com lesões cerebrais que imitam a doença.

"O que é muito entusiasmante é que, de todos os elos dessa cadeia molecular, esta é a proteína que pode ser mais facilmente alvo de medicamentos," afirmou Stephen Strittmatter, orientador do estudo. "Isso nos dá a forte esperança de que podemos encontrar uma droga que vai diminuir os impactos da doença de Alzheimer."

Elo cerebral perdido

Os cientistas já haviam construído um mapa molecular parcial de como a doença de Alzheimer destrói as células cerebrais.

Em trabalhos anteriores, a própria equipe de Strittmatter mostrou que os peptídeos beta-amiloide, que são uma característica da doença de Alzheimer, acoplam-se com proteínas príon na superfície dos neurônios.

Por um processo desconhecido, o acoplamento ativa um mensageiro molecular dentro da célula chamada Fyn.

O novo estudo revela o elo perdido na cadeia, uma proteína dentro da membrana celular, chamada de receptor de glutamato metabotrópico 5, ou mGluR5.

Cientistas encontram elo perdido do Mal de Alzheimer
Os déficits de memória, aprendizado e densidade de sinapses causados pelo Alzheimer foram restaurados com uma droga já em desenvolvimento.
[Imagem: Yale University]

Quando a proteína é bloqueada por uma droga similar à que está sendo desenvolvida para a Síndrome X Frágil, os déficits de memória, aprendizado e densidade de sinapses foram restaurados em um modelo animal da doença de Alzheimer.

Strittmatter salienta que as novas drogas podem ter que ser projetadas para atingir precisamente o rompimento amiloide-prion da mGluR5 nos casos humanos da doença de Alzheimer.

Segundo ele, seu laboratório já está explorando novas maneiras de conseguir isso.

Síndrome do X Frágil

A Síndrome do X Frágil, também conhecida como síndrome de Martin & Bell, cujo fármaco em desenvolvimento foi usado nesta pesquisa, é a segunda causa hereditária mais comum de atraso mental, e é também a causa conhecida mais comum do autismo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Memória

Cérebro

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.