Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

05/10/2011

Emagrecedores à base de anfetaminas são proibidos no Brasil

Redação do Diário da Saúde

Anfetaminas

Depois de muitas discussões e adiamentos, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu banir do mercado os remédios para emagrecer à base de anfetaminas.

Outra categoria de medicamentos que estava em discussão - os emagrecedores à base de sibutramina - será mantida, mas com o uso sofrendo restrições.

O banimento dos inibidores de apetite anfetamínicos - anfepramona, femproporex e mazindol - foram baseados em estudos internacionais que constataram a baixa eficácia desses medicamentos na perda de peso e os grandes riscos à segurança dos pacientes.

Riscos maiores que benefícios

Para Dirceu Barbano, diretor-presidente da Anvisa e proponente do banimento, os benefícios são compensam os riscos desses medicamentos.

Os registros dos produtos comercializados no Brasil serão cancelados e os médicos estão proibidos de prescrevê-los.

Segundo a Anvisa, "para que os pacientes tenham tempo de readequar o tratamento", as farmácias terão dois meses para retirar os estoques das prateleiras, período no qual os medicamentos poderão continuar sendo vendidos.

Sibutramina

A sibutramina poderá continuar a ser usada para o tratamento de obesidade desde que o paciente apresente sobrepeso significativo e não sofra de problemas cardíacos.

O paciente e o médico terão de assinar termo de responsabilidade sobre os riscos do medicamento à saúde.

Barbano argumentou que, ao contrário dos anfetamínicos, os estudos mostram que o remédio ajuda a reduzir o peso e que é possível minimizar os prejuízos à saúde do paciente que ele causa, na forma de efeitos colaterais.

Essa decisão difere daquilo que foi considerado válido como "evidências científicas" pelas autoridades de outros países, onde a sibutramina também já foi banida.

"Se vários países tiraram [do mercado] com base em evidências científicas, não podemos ignorar essas evidências. Se eles têm cuidado com as populações deles, temos também que ter com a nossa. Essa substâncias devem ser retiradas nos mesmos moldes das outras [anfetamínicos]", defendeu o diretor da Anvisa Agenor Álvares, que foi voto vencido na decisão.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Obesidade

Dietas e Emagrecimento

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão