Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/05/2013

Embrião humano é clonado pela primeira vez

Redação do Diário da Saúde

Mais de quinze anos depois da ovelha Dolly, o sonho - ou o pesadelo - de clonar um embrião humano acaba de se tornar realidade.

Em 2005, o cientista sul-coreano Woo Suk Hwang afirmou ter conseguido clonar células humanas, mas depois descobriu-se que seus dados eram falsos.

Em 2011, outra equipe criou células-tronco embrionárias humanas, mas os óvulos resultantes eram inviáveis, e não poderiam ser usados para clonagem.

Agora, Shoukhrat Mitalipov e Paula Amato, da Universidade de Ciência e Saúde de Oregon, nos Estados Unidos, afirmam ter usado o DNA coletado de células da pele humana para criar células-tronco embrionárias, capazes de se transformar em qualquer outro tipo de célula no corpo.

A técnica é uma variação de um método comumente usado, chamado transferência de núcleo de célula somática, a mesma usada para clonar a ovelha Dolly, que morreu prematuramente.

A clonagem consiste no transplante do núcleo de uma célula, contendo o DNA de um indivíduo, em um óvulo que teve seu próprio material genético retirado.

O óvulo não fertilizado, então, se desenvolve e eventualmente produz células-tronco e, daí, pode se desenvolver normalmente.

O resultado prático é que torna-se possível clonar um ser humano, o que os cientistas afirmam não ser seu objetivo.

"Nossa pesquisa é direcionada para gerar células-tronco para uso em futuros tratamentos para combater doenças," disse o Dr. Mitalipov.

"Embora os avanços da transferência nuclear frequentemente levem à discussão pública sobre a ética da clonagem humana, este não é nosso foco, e nós não acreditamos que nossos resultados possam ser usados por outros [pesquisadores] para a clonagem reprodutiva humana."

Ética e clonagem humana

O argumento dos cientistas é que essas células-tronco poderiam ser utilizadas em pesquisas ou em terapias celulares sem as questões éticas envolvidas com a utilização de embriões naturais, abandonados em procedimentos de fertilização artificial.

Contudo, a falta de resultados mais consistentes e amplos das pesquisas com células-tronco - a maioria produz tumores, em vez dos tão esperados novos tecidos e órgãos sadios - deixou o caminho livre para a manifestação não apenas dos setores mais conservadores da sociedade, como também de membros da própria comunidade científica.

Entre os cientistas, a crítica é que outras fontes de células-tronco, não oriundas da clonagem humana, podem ser mais fáceis de obter, mais baratas, e menos sujeitas a controvérsias com a sociedade.

Por exemplo, o Prêmio Nobel de Medicina do ano passado foi concedido a pesquisas com células-tronco reprogramadas a partir de células adultas - as chamadas células-tronco pluripotentes induzidas, ou iPS.

Esta é uma técnica que vem sendo preferida pelos cientistas há mais de 10 anos, uma linha de pesquisas que surgiu justamente como alternativa devido à rejeição da clonagem pela sociedade, em vistas do risco da clonagem humana.

Os argumentos dos autores da descoberta, sobre o não-uso de seus resultados para fins que eles não desejam, soam parecidos com os pedidos ingênuos de Santos Dumont para que o avião não fosse usado na guerra, ou mesmo patéticos como o pedido de Robert Oppenheimer para que o presidente Truman não usasse a bomba atômica que ele próprio havia criado.


Ver mais notícias sobre os temas:

Células-tronco

Ética

Gravidez

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Conferência mundial discutirá segurança dos alimentos geneticamente modificados

Chá verde melhora conectividade do cérebro

Vaginas produzidas em laboratório são implantadas em pacientes

Xixi com cloro da piscina faz mal mesmo

Brasil desvaloriza parto normal e sagra-se campeão mundial de cesáreas