Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

05/08/2011

Cientista propõe reduzir jejum de pacientes de 16 para duas horas

Edimilson Montalti

Jejum exagerado

Pacientes submetidos a exames médicos ou cirurgias ficam até 16 horas em jejum.

Este tempo pode ser reduzido para duas horas em cirurgias gastrointestinais, de oftalmologia, de otorrinolaringologia, partos ou exames diagnósticos que não exijam jejum prolongado.

Estudos mostram que um paciente internado por 15 dias num hospital perde cerca de 10 a 15% de seu peso corporal.

O jejum prolongado - de alimento e água - pode prejudicar a recuperação do paciente, fazendo com que ele permaneça mais tempo internado do que o necessário.

Evidências científicas

Esta é a luta de Maria Isabel Pereira de Freitas, pioneira da terapia nutricional parenteral e enteral no Brasil.

Maria Isabel é enfermeira, professora livre docente, chefe do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp e membro da equipe que atua na unidade de internação da Gastroenterologia Clínica e Cirúrgica do Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp.

"Desde 1999 existem evidências científicas de que os pacientes não precisam ficar tanto tempo em jejum. Pesquisadores da Europa, dos Estados Unidos da América do Norte e da Universidade Federal do Mato Grosso, juntamente com a Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (SBNPE), estão fazendo um movimento para mostrar que os nutrientes são tão importantes na recuperação dos doentes quanto o remédio", disse Isabel.

Prolongamento do jejum

Segundo Maria Isabel, exames de ultrassonografia, endoscopias, colonoscopias, tomografias e ressonâncias requerem um tempo mínimo de jejum por via oral.

Como os hospitais estão sobrecarregados na realização destes exames, tanto para os atendimentos de casos de urgência como aqueles internados, o tempo de espera do doente em jejum passa a ser muito prolongado, podendo chegar até a 16 horas.

Além disso, é somado a este tempo o período de jejum pré-operatório e depois o período de jejum pós-operatório.

"Duas horas antes da cirurgia, quando o paciente já permaneceu em jejum de alimentos sólidos por oito horas, você pode permitir que o paciente tome líquido transparente com carboidratos. Após a cirurgia, se o paciente não sentir náuseas, ele pode beber água e até comer, conforme afirmação do Grupo ERAS, da Europa. Isto só não é recomendado para cirurgias de esôfago, estômago e alguns tipos de câncer", explicou.

Pacientes com desnutrição

De acordo com Maria Isabel, a média de calorias diárias recomendadas para um paciente internado é de 2.500 calorias e é de responsabilidade do enfermeiro observar a quantidade de alimentos ingerida pelo paciente.

Há uma pesquisa em andamento na área da gastroenterologia, feita por aluna de Enfermagem e coordenada por Maria Isabel, que estão avaliando a qualidade do sono em pacientes que permanecem períodos de 12 a 16 horas em jejum para realizar exames diagnósticos ou intervenções cirúrgicas.

"Os pacientes estão desnutrindo dentro das instituições hospitalares e precisamos introduzir medidas para minimizar este fato para bem atender ao doente", explicou Isabel.

Terapia nutricional parenteral e enteral

A terapia nutricional parenteral e enteral teve início em 1968 nos Estados Unidos e na Europa e chegou ao Brasil no início da década de 1970, quando aconteceu o primeiro curso no Rio de Janeiro, RJ.

Na época, a especialidade era denominada de hiperalimentação parenteral.

Maria Isabel tomou conhecimento da terapia e, em 1973, apresentou o primeiro trabalho sobre este tema no Brasil. O trabalho foi publicando em 1975 na Revista Brasileira de Enfermagem.

"Quando eu entrei nessa linha de trabalho eu não parei mais. Continuei, mesmo com dificuldades, e fui abrindo espaço para as enfermeiras. Agora, esse grupo mais novo deu uma reerguida e fizeram esse curso que teve uma repercussão espetacular", disse, entusiasmada.


Ver mais notícias sobre os temas:

Tratamentos

Cirurgias

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?