Enriquecer pode trazer mais solidão que felicidade

Enriquecer pode trazer mais solidão que felicidade
Se o seu interesse final for realmente a felicidade, talvez seja importante saber que o tempo parece valer mais do que o dinheiro.
[Imagem: SPSP.org]

Dinheiro e felicidade

Deixar o emprego por um negócio próprio lucrativo é o sonho de independência e felicidade de muita gente.

Mas será que funciona mesmo, e será que é nessa situação que está a felicidade tão almejada?

Um exemplo pode ajudar a ilustrar a realidade.

Depois de mais de três décadas trabalhando como aeromoça, Sandy Stein inventou uma ferramenta que ajuda a "pescar" as chaves de dentro de uma bolsa, evitando a necessidade de vasculhar tudo ou até esvaziar a bolsa. Naquela época, ela comprou um carro à vista, contratou empregados e registrou vendas de US$ 4 milhões (cerca de R$ 13,5 milhões). Um cenário de sonho sob vários aspectos.

Mas, para a surpresa de Stein, o sucesso a fez sentir-se extremamente solitária. Ela se divorciou depois que seu marido ressentiu-se do seu sucesso - ele sempre havia sido a principal fonte de sustento da casa. E as amizades também foram abaladas. "As pessoas ficam com ciúmes e dizem umas coisas bem feias," conta ela.

Mudanças nos outros

Muitas pessoas não desistiram de buscar riqueza financeira, mas também muitos dos que tiveram sucesso dizem que a riqueza pode levar ao isolamento e que suas vidas parecem muito mais atraentes para quem vê de fora.

"Quando alguém enriquece rapidamente, o impacto é profundo em todas as partes de sua vida. Pode ser uma experiência dolorosa para algumas pessoas," diz Stephen Goldbart, um dos fundadores do Instituto Dinheiro, Significado e Escolhas (Money, Meaning and Choices Institute), empresa que trabalha com clientes afluentes.

É muito fácil começar a sofrer da chamada "síndrome da riqueza súbita" e se ver em uma crise de identidade ao mesmo tempo em que se lida com a solidão e a frustração resultantes das mudanças inesperadas, diz Goldbart.

O problema é que, quando as pessoas se tornam repentinamente ricas, geralmente elas não estão preparadas para lidar com a mudança de comportamento das pessoas que as cercam. Amigos que começam a se distanciar ou a se aproximar, a família interferindo em suas finanças ou se envolvendo mais em sua vida, tudo isto pode ser um choque.

Mudanças em você

O dinheiro também muda as pessoas que o recebem. Às vezes os novos ricos exibem comportamentos como gastos desenfreados ou mudanças de interesses que podem criar atritos com amigos e colegas, explica Megan Ford, presidente da Associação de Terapia Financeira (Financial Therapy Association).

"Amigos podem não querer se adaptar a algumas das mudanças criadas pela riqueza súbita e vão se afastar, o que cria solidão", acrescenta ela.

Controlar as reações de amigos e parentes é normalmente o maior obstáculo. Eles tentam fortalecer os laços com alguém que agora veem como um vencedor, explica Goldbart.

E como lidar com amigos e parentes que começam a tratar você de maneira diferente? Muitos criam suspeitas. Onde estavam todos eles quando você estava trabalhando horas a fio pelo sucesso do novo negócio? É natural que a pessoa acabe encolhendo seu círculo de confiança quando não está inteiramente certa de quem pode estar se aproximando apenas por interesse.

"O mundo dessas pessoas fica bem pequeno e elas buscam amizades de pessoas que são financeiramente como elas," completa Goldblat.

Ou seja, se você pretende mesmo perseguir o sonho de uma revolução econômica para se tornar feliz, esteja preparado para tudo o que virá junto com o dinheiro.


Ver mais notícias sobre os temas:

Felicidade

Trabalho e Emprego

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.