Envelhecer no campo é muito diferente de envelhecer na cidade

Envelhecer no campo é muito diferente de envelhecer na cidade
A ligação com o trabalho e com os familiares, a independência econômica e emocional, os valores - tudo é diferente quando se trata de envelhecer no campo ou envelhecer na cidade, relata uma pesquisa feita por uma antropóloga da Unicamp.
[Imagem: Unicamp]

Sinais da velhice

Seu Victório, 72 anos, acorda com o sol, toma um café e se dispõe a traçar o caminho de quase uma hora até a roça.

Nem um pouco cansado da rotina na lavoura, tampouco afetado por sinais de velhice, se diz orgulhoso por garantir seu sustento com as próprias mãos, cuidando da plantação.

A satisfação de envelhecer no interior é resumida em poucas palavras: "A velhice da roça é bem melhor que a da praça (cidade)."

Estudo

Foi esta frase, do morador de distrito de Jordão, em Sobral, no Ceará, que inspirou o título da tese Da velhice da praça à velhice da roça: revisitando mitos e certezas sobre velhos e famílias na cidade e no rural, da antropóloga Adriana de Oliveira Alcântara, realizada na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Orientada pela professora Guida Guin Debert, ela acompanhou o dia-a-dia de 17 pessoas de Jordão e 15 de Fortaleza, para comparar a velhice no espaço rural e na cidade e saber como é envelhecer em família, entre diferentes gerações. A antropóloga ouviu também os parentes das pessoas investigadas.

Envelhecer na cidade ou no campo

Depois de ter rompido paradigmas com a dissertação realizada com homens e mulheres em asilo (longe da família), a antropóloga joga por terra a impressão de que envelhecer na família, convivendo com outras gerações, é um fardo para os velhos, principalmente no espaço rural, onde ela intensificou sua investigação.

O percurso para conhecer a inter-relação das multigerações familiares foi longo, mas proporcionou, segundo a antropóloga, satisfação. Aos poucos, rostos como os de seu Victório, foram abrindo a porta da casa, o sorriso, o bule de café e até a caixa de surpresas, repleta de informações relacionadas a economia, família, trabalho e controle da casa.

A primeira impressão contestada é a de que o trabalho os cansa. "O trabalho na roça, tanto entre homens como mulheres, ainda é um valor de vida. Eles não querem parar. Dizem que foram criados assim e que 'parar é morrer'. Embora as limitações físicas mostrem que têm de parar, a mente não quer", revela Adriana.

Enfoques diferentes sobre o trabalho

Os resultados da investigação permitem ver uma diferença entre os entrevistados da zona urbana e da rural no que se refere ao trabalho e ao sustento da família. O trabalho é uma questão muito presente na vida dos entrevistados do interior, sejam homens ou mulheres.

Segundo a pesquisadora, mesmo recebendo a aposentadoria rural, eles continuam o trabalho na roça e enfatizam que não é o fator econômico que os prende à roça, mas o pertencimento da identidade.

A produção do alimento para eles também é muito importante, de acordo com Adriana, pois eles fazem questão de sustentar seu grupo doméstico, sobretudo na roça.

Já na cidade, a maioria dos entrevistados divide o sustento com os filhos, a partir de rateios das despesas. "Para além do sustento e do dinheiro, entra a produção do alimento; eles não compram feijão, nem milho e macaxeira. Produzem tudo e não vão comprar. E durante o ano, estocam", acrescenta.

Núcleos familiares

No interior, o cuidado com a família não se limita ao sustento, pois além da ajuda financeira, segundo os próprios entrevistados de Adriana, os velhos ajudam não só os filhos que moram em sua casa, mas também os outros filhos, já que no interior é comum a família ser mais próxima, segundo Adriana.

Outra diferença entre citadinos e rurais é que os filhos do interior moram ao redor das casas de seus velhos, diferente do contexto da cidade. "Melhor estar ajudando que ser dependente".

A independência econômica confere uma identidade que está arraigada no grupo familiar por meio de três categorias enfatizadas por Adriana: trabalho-família-terra. "Não dá para falar em família sem falar em trabalho. Isso para eles é questão moral". Deixar de trabalhar é comparado a uma doença para os trabalhadores rurais.

De acordo com Adriana, eles deflagram a velhice através das limitações físicas, quando sentem dor nas pernas e não podem fazer a caminhada até a roça. "É o valor do trabalho se misturando com o valor da vida", acrescenta a antropóloga.

Aposentadoria e bolsa família

Quanto à renda, a primeira fonte é a aposentadoria. Em seguida, aparece a bolsa família. Essas duas fontes são imprescindíveis para sustento do grupo familiar.

Os filhos, por outro lado, contribuem com o pagamento recebido por "bicos" e faxinas, já que o desemprego entre os jovens é maior que na cidade. Segundo Adriana, a aposentadoria é dos velhos, e a bolsa família fica para as crianças da casa.

Durante toda a pesquisa, Adriana procura mostrar que não existe um enquadramento do que é família e do que é ser velho.

Amparada em conceitos do IBGE, Adriana observou também que não é só o fato de o velho ser detentor de um poder econômico que lhe garante autoridade automaticamente, poder de decisão, mas também o de ser proprietário de um imóvel onde o grupo doméstico mora. Ele exerce autoridade mesmo não possuindo renda, o que quebra alguns modelos.

Na cidade, porém, a participação dos filhos no rateio pode tirar o poder de decisão dos velhos. "São os desarranjos, não tem como determinar o que é uma família e o que é ser velho. Existem abordagens que o tempo todo refutam a questão da homogeneidade, da velhice. Eu faço várias provocações para a necessidade de flexibilizar o entremeio entre os modelos", acentua.

Conceito de velhice

A partir das histórias como a de seu Victório ou de um trabalhador rural que aos 82 anos matava boi sozinho, Adriana constatou que ser velho não está restrito a ter certa idade, assim como ter determinada idade não significa que a pessoa é limitada, doente.

"Vi velhos cuidando de filhos doentes. A idade não permite aplicar modelos de vida", acrescenta. Segundo ela, esta é a importante contribuição da antropologia no sentido de flexibilizar, romper com todas essas convenções. Para ela, não existe modelo único para ser velho e tampouco modelo único para família.

Espaço rural

Apesar de ter feito uma análise comparativa, Adriana enfatiza que o grande desafio de sua pesquisa foi abordar a questão do espaço rural, por não existirem estudos pontuais sobre a velhice neste espaço. "O rural ainda hoje é visto como coisa menor em comparação à cidade. Como local do atraso, e a cidade, do desenvolvimento. Sob que ponto de vista?", questiona.

De acordo com a autora, quem decide o que é urbano e rural no Brasil são as câmaras municipais, e o rural fica em desvantagem. Para ilustrar a ideia, ela menciona trecho de uma citação de José Eli da Veiga, professor da Faculdade de Economia e Administração (FEA) da Universidade de São Paulo: "Os legisladores não observaram o fenômeno da população brasileira de 1949 a 1970. E a nova configuração territorial exigiria outras elaborações institucionais que se adequassem às cidades com demandas tão específicas, como o caso do rural."

O que é cidade

Segundo a autora, Eli da Veiga critica o estatuto da cidade por não contemplar o assunto. "O próprio estatuto da cidade não define o que é cidade. Veja que controvérsia", questiona Adriana.

A linha que separa o urbano do rural não representa a realidade de modo satisfatório, na opinião de Adriana. O IBGE segue o critério político-administratrivo proveniente de um decreto de 1938 (período do estado novo em que a população brasileira era predominantemente rural), que define que a área urbana é toda sede de município, cidade e de distrito.

Adriana acredita que, dessa forma, a definição de perímetro urbano está subordinada a ideia que a linha que separa o urbano do rural. "Por isso insisto que não representa a realidade de um modo satisfatório, uma vez que os interesses políticos, econômicos e tributários podem prevalecer no momento de sua demarcação", questiona.

Avô não, "paizinho"

No interior do Ceará, avô é paizinho. Uma forma de tratamento que também surpreendeu Adriana, que sempre viveu em Fortaleza.

A relação harmoniosa e de respeito condiz com a resposta dada pelos velhos quanto motivados a apontar a pessoa da família com a qual têm mais proximidade. Muitos deles citaram o nome de um filho, não necessariamente que vive debaixo do mesmo teto, de acordo com a antropóloga.

"Eu não vislumbrava esta questão ao iniciar a pesquisa, mas ela me trouxe informações muito importantes sobre as relações nas famílias", acrescentou. Ela enfatiza que o fato de um filho voltar para a casa por situações de desemprego ou separação nem sempre está associado a afetividade, preferência, ou companheirismo. "Então, morar sob o mesmo teto não é garantia de que esse idoso terá ajuda, carinho e proteção do familiar", explica.


Ver mais notícias sobre os temas:

Terceira Idade

Sentimentos

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.