Enxaqueca com aura intensifica distúrbios do equilíbrio

Enxaqueca com aura

Além da dor intensa e do transtorno que costuma causar, a enxaqueca traz consigo outros males: tonturas, comprometimento da estabilidade postural, desequilíbrio dinâmico e alterações na marcha.

Esses sintomas são agravados quando a enxaqueca vem precedida da aura, sintoma neurológico que provoca fenômenos visuais, como pontos de luz e flashes.

A doença é extremamente frequente, afetando em torno de 12% da população em todo o mundo, sejam homens, mulheres e até crianças.

Outro fato de reconhecimento mundial é a predisposição feminina para o problema. Acomete entre 18% e 20% das mulheres contra apenas 4% a 6% dos homens, com pico de prevalência nos anos produtivos, entre 25 e 55 anos idade.

Equilíbrio

A pesquisadora Gabriela Ferreira Carvalho, da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, conseguiu agora demonstrar que a aura intensifica os distúrbios de equilíbrio que afetam os enxaquecosos.

Os resultados revelaram maior desequilíbrio em pacientes com enxaqueca e aura associadas, tanto na avaliação onde os dois pés estavam apoiados, quanto com o apoio em um só pé. A agilidade durante a caminhada também foi menor nas mulheres com enxaqueca.

Os sintomas de tontura acompanharam 80% daquelas com aura e 65% do grupo sem aura.

O estudo constatou que, mesmo sem a presença da aura, a enxaqueca compromete a velocidade da caminhada.

Essas constatações, garante a pesquisadora, abrem novos caminhos para investigar a doença e aponta para a necessidade de novos tratamentos e orientação aos pacientes, levando em conta a interferência da aura, por exemplo.

Danos neurológicos

A pesquisadora explica que a enxaqueca é uma cefaleia de alta prevalência que pode estar associada a complicações isquêmicas do tecido cerebral.

Na presença de aura, verifica-se maior frequência de danos nas regiões do cerebelo e do sistema vestibular e as repercussões clínicas dessas anomalias ainda são desconhecidas.

Como a enxaqueca com ou sem aura compromete a estabilidade e a mobilidade, o resultado é de impacto significante nas atividades de vida diária das pessoas.

Assim, a pesquisadora pretende agora se dedicar a estudar tratamentos preventivos contra o comprometimento funcional desses pacientes.

Gabriela acredita na importância das investigações sobre as alterações na marcha e também na verificação de eventual agravamento do quadro com o processo de envelhecimento.


Ver mais notícias sobre os temas:

Dores Crônicas

Cérebro

Mente

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.