Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

27/06/2012

Enxerto arterial biodegradável muda filosofia de cirurgias cardíacas

Redação do Diário da Saúde
Enxerto arterial biodegradável muda filosofia de cirurgias cardíacas
Os novos enxertos (no destaque) degradam-se inteiramente em 90 dias, formando uma nova artéria totalmente funcional. [Imagem: Swanson School of Engineering]

Enxerto abiótico

Um novo enxerto biodegradável promete mudar para sempre as cirurgias cardíacas.

Hoje, quando é necessário reconstruir uma artéria em uma cirurgia de revascularização - nos chamados bypass - , são usados enxertos plásticos, geralmente recobertos por culturas de células.

O novo enxerto, além de não utilizar células, é totalmente biodegradável, desaparecendo do corpo 90 dias após o implante.

Em seu lugar, fica uma artéria completamente regenerada, sem nenhum traço dos materiais sintéticos usados na cirurgia.

Mudança filosófica

Segundo o Dr. Yadong Wang, da Universidade de Pittsburgh (EUA), a nova técnica representa uma "mudança filosófica" em relação à técnica tradicional, baseada no uso de células e na engenharia de tecidos para reconstruir os vasos sanguíneos.

"O local do implante, as artérias, neste caso, são uma excelente fonte de células, e oferecem um ambiente de crescimento muito eficiente. Foi isto que nos inspirou a pular inteiramente a etapa da cultura de células, e criar esses implantes sintéticos não biológicos," disse o pesquisador.

Eles construíram implantes de várias espessuras, alguns com apenas 1 milímetro de diâmetro, permitindo atender às necessidades dos mais diversos tipos de cirurgias.

Implante arterial

Wang e seu colega Robert Allen usaram um polímero elástico, conhecido como PGS, que é rapidamente absorvido pelo corpo.

Além de fabricado com a porosidade adequada, o implante foi recoberto com uma malha fibrosa, que permite o crescimento celular em seu interior.

Um revestimento final com a molécula heparina garante a agregação de fatores de crescimento e evita a formação de coágulos sanguíneos.

"O resultado são enxertos porosos que podem ser suturados," disse o pesquisador. "E a remodelagem rápida levou à formação de novas artérias fortes e totalmente similares às naturais".

Outra grande vantagem é que esse material, por não conter células, pode ser armazenado a seco em temperatura ambiente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Circulatório

Coração

Cirurgias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão