Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

13/03/2012

Estudo brasileiro sobre implantes dentários é premiado nos EUA

Com informações da Agência Fapesp

Implantes dentários

Cientistas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) acabam de ser premiados nos Estados Unidos por uma pesquisa que poderá melhorar significativamente a durabilidade dos implantes dentários.

Thallita Pereira Queiroz, ganhou o Prêmio de "Melhor Apresentação de Pôster" durante o 27º Encontro Anual da Academia Norte-Americana de Osseointegração, que ocorreu entre os dias 1º e 3 de março de 2012, em Fênix, no Arizona (Estados Unidos).

Usando nanotecnologia, Thallita criou modificações físico-químicas nas superfícies dos implantes dentários, acelerando o processo de osseointegração - a união do implante ao tecido ósseo.

O estudo foi realizado em animais, mas o objetivo final do trabalho é transpor a nova tecnologia para aplicação em seres humanos.

Química de superfície

Segundo o professor Antônio Carlos Guastaldi, que trabalha no desenvolvimento das superfícies de implantes, o estudo realizado por Thallita teve a participação de vários coautores, devido à sua complexidade e multidisciplinaridade.

Segundo ele, além de contribuir com uma nova alternativa para a preparação da superfície dos implantes, o estudo modifica os paradigmas em relação à interpretação dos dados.

"Normalmente, na área biológica, entende-se que a morfologia da superfície do implante é mais importante que sua química para promover a osseointegração. Este trabalho inverte o paradigma, reiterando os resultados dos nossos estudos nos últimos anos: a modificação química da superfície é o mais importante para a osseointegração, enquanto a morfologia apenas aumenta a área onde ocorre esse fenômeno", disse Guastaldi.

Hidroxiapatita

No estudo, 45 coelhos receberam 90 implantes. Depois de 30, 60 e 90 dias, os animais foram sacrificados e os implantes removidos para a análise, visando à detecção de determinadas proteínas ósseas fundamentais para a osseointegração.

As alterações realizadas na superfície dos implantes incluíram a modificação por feixe de laser seguida, em alguns casos, pela deposição de hidroxiapatita - o principal componente do esmalte dentário - pelo método biomimético, que utiliza uma solução de fluido corpóreo, com composição química, temperatura e pH similares ao plasma sanguíneo.

"Esses implantes foram comparados com dois implantes comercialmente disponíveis, um com superfície tratada por ataque ácido e o outro sem modificações de superfície. Todos eles foram instalados em tíbias de coelhos para análises topográficas, biomecânicas, histométricas e imuno-histoquímicas", explicou Guastaldi.

Proteínas ósseas

Os resultados obtidos no estudo, segundo o professor, permitiram concluir que as modificações físico-químicas, em escala nanométrica, promovidas nas superfícies dos implantes dentários aceleraram a expressão de proteínas ósseas que constituem o primeiro passo na interação entre o osso e o implante.

"Com isso, foi acelerada a resposta do tecido ósseo ao implante, favorecendo, dessa forma, a osseointegração em períodos de tempo mais curtos. O próximo passo será a realização desse mesmo tipo de experimento em humanos", disse Guastaldi.


Ver mais notícias sobre os temas:

Implantes

Saúde Bucal

Cobaias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?