Estudo relaciona sexualidade e simetria dos hemisférios cerebrais

Estudo relaciona sexualidade e simetria dos hemisférios cerebrais

[Imagem: PNAS]

Hemisférios cerebrais e a sexualidade

Pesquisadores da Suécia descobriram que os cérebros de homens heterossexuais e de mulheres homossexuais são ligeiramente assimétricos - o hemisfério direito é maior que o esquerdo -, o que não ocorre com os cérebros de homens gays e mulheres heterossexuais.

O estudo, realizado por Ivana Savic e Per Lindström, do Instituto Karolinska, será publicado esta semana no site e em breve na edição impressa da revista Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas).

Testes psicológicos

Pesquisas anteriores haviam indicado que alguns atributos físicos dos cérebros de homossexuais são semelhantes aos de cérebros de pessoas do sexo oposto. Testes psicológicos também apontaram diferenças entre homens e mulheres em relação à abrangência do uso de cada hemisfério cerebral em tarefas verbais.

Outros estudos indicaram que homossexuais podem apresentar as tendências do sexo oposto no comportamento cerebral não-relacionado à atividade sexual.

Semelhanças cruzadas

Leituras de tomografia por emissão de pósitrons (PET, na sigla em inglês) feitas pelos pesquisadores suecos mostraram que, em relação à conectividade da amígdala (região do cérebro regulador do comportamento sexual e da agressividade), as lésbicas são semelhantes aos homens heterossexuais e os homens gays são semelhantes às mulheres heterossexuais.

Os pesquisadores analisaram os cérebros de 90 voluntários, utilizando imageamento por ressonância magnética para avaliar o volume cerebral e dados de PET parcialmente compilados a partir de estudos olfativos anteriores.

Comportamento animal

Uma possível interpretação do padrão de conectividade semelhante em homens heterossexuais e mulheres lésbicas, segundo os autores, é que a amígdala estaria preparada para uma maior resposta "lutar ou fugir" - mecanismo automático e primitivo que constitui o fundamento básico do estresse, preparando o corpo de um animal para reagir prontamente a ameaças.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sexualidade

Cérebro

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.