EUA aprovam uso de remédio como vacina para vírus HIV

Vacina questionável

Autoridades dos Estados Unidos aprovaram o uso de um medicamento destinado a prevenir a infecção pelo vírus HIV.

Um estudo feito em 2010 mostrou que o remédio diminui entre 44% e 73% o risco de contágio pela AIDS.

Especialistas, contudo, afirmam que o uso do medicamento como vacina poderá criar uma falsa sensação de segurança em relação à doença.

O principal temor é que os grupos de risco da AIDS passem a tomar a pílula e sentir-se totalmente protegidos contra o HIV, abandonando medidas preventivas e o sexo seguro.

Além disso, o índice alcançado de diminuição do contágio é muito inferior ao que se considera para o desenvolvimento de vacinas.

Truvada

O Truvada é um medicamento que compõe o chamado coquetel anti-AIDS, juntamente com outras drogas antirretrovirais.

Com a aprovação, a droga agora poderá ser usada por pessoas classificadas em grupos de risco ou que mantenham relações sexuais com parceiros soropositivos.

Outra crítica levantada é o custo do medicamento: se ingerido diariamente de forma preventiva, o tratamento com o Truvada custaria ao redor de US$900,00 (R$1.800,00) por mês, ou US$11.000,00 (R$22.000,00) por ano.

Em comparação, a camisinha, que oferece uma proteção melhor, custa alguns centavos para as autoridades de saúde, geralmente saindo de graça para os usuários.

O Ministério da Saúde do Brasil afirmou que não pretende adotar a medida.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vacinas

Medicamentos

Sexualidade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.