Novo exame detecta crack e cocaína nas primeiras fezes do bebê

Nova técnica detecta crack e cocaína nas primeiras fezes do bebê
O exame é importante para que o médico tenha informações não supridas pela mãe.
[Imagem: Ag.USP]

Uso de drogas na gravidez

Uma pesquisa realizada na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP resultou em um método capaz de detectar a presença de crack e cocaína nas primeiras fezes após o nascimento do bebê, chamada de mecônio, que se acumula no organismo da criança a partir da décima segunda semana de gestação.

"Durante a gravidez, o uso de drogas lícitas, tais como cigarro e álcool ou ilícitas, como cocaína e crack, pode prejudicar tanto a saúde da mãe quanto do feto. A análise do mecônio possibilita ao médico uma análise mais completa sobre determinados sintomas que a criança possa apresentar, como tremores, deficiências neurológicas, hipertensão arterial e síndrome da morte súbita em neonatos.

"A falta ou a omissão de informações transmitidas pela mãe pode inviabilizar um diagnóstico mais correto", conta a farmacêutica Marcela Nogueira Rabelo Alves.

Mecônio

A escolha pelo mecônio foi a busca de uma alternativa menos invasiva do que a extração de sangue ou líquido amniótico, e também que viabilizasse uma ampla janela de detecção para a benzoilecgonina e o éster metilanidrecgonina, substâncias que identificam respectivamente, a cocaína e o crack.

A proposta foi ao encontro de outras pesquisas já realizadas nessa área pelo orientador do trabalho, o professor Bruno Spinosa De Martinis, do Departamento de Química, campus de Ribeirão Preto, como o uso de outras matrizes, como suor, humor vítreo, saliva, cabelo, dente, entre outras.

O método, denominado cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massas (CG- EM), consiste no isolamento de uma parte do mecônio, retirado da fralda de bebês recém-nascidos, na purificação da amostra com cartuchos de extração em fase sólida e posterior injeção da mesma no cromatógrafo.

Toda a preparação e análise leva em média de 6 a 7 horas. A análise deve ser feita mediante uma padronização de métodos e parâmetros, em conformidade com a Resolução 899/2003 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que possa vir a ser utilizada em laboratórios e hospitais. "Esta foi a fase mais demorada da pesquisa", aponta Marcela.

Drogas na gravidez

O trabalho envolveu a busca por voluntárias com a garantia de sigilo absoluto sobre a identidade das mesmas, um termo de consentimento livre e esclarecido sobre a participação, um questionário e a análise das amostras.

A pesquisadora pôde constatar por meio da comparação entre o questionário feito e a conclusão de análise das amostras que "a maioria das usuárias, quando grávidas, não deixam de utilizar drogas e dificilmente informam ao médico sobre o uso de quaisquer tipos destas substâncias. Houve questionários em que a mãe negava o uso, mas análise mostrava um resultado positivo para o uso de crack ou cocaína", aponta.

A cientista informa que a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em 2009, estimou um crescimento de 91% de usuárias de cocaína, em 3 anos, no Estado. "Um problema de saúde pública que assusta e se agrava em casos de gravidez", finaliza.


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Vícios

Drogas Lícitas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.