Leptospirose é diagnosticada na hora em teste parecido com o de gravidez

Leptospirose é diagnosticada na hora em teste parecido com o de gravidez
O formato similar ao de um cartão de crédito, com 6,5 cm por 5,0 cm, facilita o transporte e o armazenamento do teste.
[Imagem: Fiocruz Bahia]

Teste rápido

Quinze minutos. Este é o tempo que um paciente deverá esperar para saber se está contaminado pela bactéria leptospira, o agente causador da leptospirose.

Depois de dez anos de trabalho, uma equipe do Centro de Pesquisa Gonçalo Muniz, unidade da Fiocruz na Bahia, apresentou o novo teste de diagnóstico da leptospirose.

Além de oferecer resultado mais rápido em relação aos de microaglutinação, que exigem até 15 dias para apontar uma resposta, o teste rápido amplia para 92% a chance de o diagnóstico estar correto.

Parecido com teste de gravidez

"Este é um teste que vai ajudar a salvar vidas, representando uma ferramenta importantíssima para o médico identificar a doença ainda no seu início, antes da progressão para formas severas", avalia um dos coordenadores do projeto, Mitermayer Galvão dos Reis.

Desenvolvido no Laboratório de Patologia e Biologia Molecular, em parceria com as universidades de Cornell e da Califórnia, nos Estados Unidos, o teste diagnóstico funciona com procedimento semelhante ao de gravidez. A previsão é que o teste comece a ser produzido no final de 2010.

Diagnóstico rápido da leptospirose

A rapidez no diagnóstico foi alcançada em função da identificação pelos pesquisadores do componente da bactéria (a proteína Lig) capaz de estimular a produção de anticorpos nas pessoas infectadas.

A partir desta descoberta foram produzidos antígenos, em parceria com a Biomanguinhos, outra unidade da Fundação Oswaldo Cruz, que permitiram a construção do teste.

O mecanismo de funcionamento é simples. Uma gota de sangue, extraída do dedo do paciente, é depositada no aparelho, aplica-se uma solução reveladora e a coloração rosa indica resultado positivo.

"Na verdade, o antígeno é o ponto central do teste, já que ele atrai o anticorpo específico para a leptospira, e ao reagir, permite o diagnóstico", explica Alan McBride, pesquisador visitante que juntamente com outro pesquisador visitante, Albert Ko, também coordena a pesquisa.

Validação

O processo de validação do teste deve ocorrer ainda neste ano, em laboratórios especializados das universidades federais do Ceará, Rio Grande do Norte e na Fiocruz de Pernambuco.

De acordo com Reis, processo semelhante também será realizado nos 21 países ibero-americanos. "Posteriormente, vamos submetê-lo à avaliação da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) e esperamos que o Ministério da Saúde possa distribui-lo para os postos de saúde de todo o país no prazo de seis meses a um ano", acredita.

Sintomas da leptospirose

Como a leptospirose é uma doença que apresenta sintomas semelhantes a dengue, hepatite e gripe do tipo febres, dores de cabeça e musculares, a celeridade na identificação ajudará o médico a prescrever o medicamento correto.

Quando instalada, os sintomas são: olhos amarelados; alterações cardiovasculares; dificuldade respiratória distúrbios neurológicos e disfunção renal.

O diagnóstico errado, por sua vez, pode levar a progressão da doença para formas mais graves, inclusive com hemorragia pulmonar, que geralmente leva 50% dos pacientes a óbito em 48 horas.

Leptospirose confundida com dengue

"Em Salvador, em 1996, durante uma epidemia de dengue, identificamos que 35% dos pacientes hospitalizados com leptospirose tinham recebido diagnóstico de dengue, erro que contribuiu para aumento da morbidade e letalidade", avalia Reis.

O teste, nesse caso, praticamente eliminaria o erro, antecipando o tratamento e a cura, já que estudos anteriores indicam o diagnóstico ambulatorial e o tratamento com penicilina, nos dois primeiros dias da doença, como suficientes para impedir a progressão para formas mais graves.

Leptospirose no Brasil

Inicialmente caracterizada como doença rural e transmitida a partir da urina do rato, a leptospirose atinge atualmente áreas principalmente carentes dos grandes centros urbanos, em função das populações destas localidades entrarem em contato com água contaminada derivada de enchentes, além da precariedade da coleta de lixo e da falta de redes de esgoto, que facilitam a proliferação de roedores.

"A leptospirose se expandiu de sua base rural e se tornou a causa de epidemias cíclicas ligadas a chuvas no ambiente urbano. Grandes surtos ocorrem a cada ano, afetando praticamente os mesmos grupos de risco dentro das favelas urbanas. Precisamos de uma política pública que integre ciência, serviços de saúde e política ambiental", defende Reis.

Dados do Ministério da Saúde indicam que foram notificados 2.698 casos, com a morte de 301 pessoas, em 2005. São Paulo é o estado com maior número de casos, com 575 confirmações. Na Bahia, foram 151 casos, no mesmo período. A Secretária de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) revelou que somente no primeiro semestre deste ano, já foram totalizados 89 casos no estado, com 9 mortes. A taxa de mortalidade das formas severas da doença é de 15%.


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Epidemias

Infecções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.