Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

15/10/2007

Excesso de vitamina E pode ser pior do que sua carência

Washington Castilhos - Agência Fapesp

Potencial antiinflamatório da vitamina E

A literatura científica tem mostrado que, além de ser um dos antioxidantes mais reconhecidos, por seu efeito contra a deterioração das células e o envelhecimento, a vitamina E tem potencial antiinflamatório. Agora, uma pesquisa feita no Laboratório de Imunofarmacologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC) da Fundação Oswaldo Cruz destacou um possível papel antagônico em processos inflamatórios, indicando que a administração de uma dosagem mais alta pode ter como conseqüência a piora do quadro clínico.

Os resultados indicam que a vitamina E tem um efeito inibitório na atividade do receptor nuclear PPAR gama - proteínas existentes no núcleo das células e que são importantes na comunicação celular - somente quando administrada em baixa dosagem.

Ação pró-inflamatória

"Vimos que o efeito antiinflamatório da vitamina E pode ocorrer por meio do receptor PPAR gama, porém verificamos que, quando administrada em altas doses, a vitamina não tem efeito sobre a proteína e permite a inflamação. Concluímos que o caráter antiinflamatório da vitamina seria devido ao efeito inibitório na ativação do receptor", explicou a bióloga Adriana Ribeiro Silva, coordenadora da pesquisa que durou dois anos.

Os pesquisadores utilizaram um modelo experimental em camundongos, no qual provocaram um processo inflamatório e avaliaram o efeito do tratamento com vitamina E por meio da administração de drogas utilizadas em tratamentos clínicos.

Constataram que uma dose de 40 microgramas por cavidade (por animal) tem efeito antiinflamatório, mas, se a dose for aumentada para 120 microgramas por cavidade, a vitamina E tem atividade pró-inflamatória. O que chamou a atenção é que essa última dosagem corresponde a uma dose comumente prescrita para humanos.

Uso indiscriminado da vitamina E

O estudo traz um alerta importante quanto ao uso indiscriminado da vitamina E. "Muitos imaginam que, quanto maior a dose, melhor o resultado. Constatamos o contrário, chamando a atenção para o cuidado com a dosagem", disse Adriana à Agência FAPESP.

A bióloga ressalta que os resultados da pesquisa são importantes porque drogas que se ligam ao receptor PPAR gama são utilizadas clinicamente e aceitas comercialmente como antidiabéticos. O próprio estudo começou com a proposta de avaliar o uso dessas drogas no tratamento da diabetes.

"Nossa idéia era questionar se esses medicamentos seriam benéficos ou não, uma vez que havia indícios na literatura científica de que a ativação desse receptor poderia ter um efeito pró-inflamatório, isto é, ao tratar uma doença predispõe o indivíduo a outro efeito, alterando o seu sistema imunológico", afirmou.

Evitando efeitos colaterais

A pesquisa, segundo ela, traz uma outra vantagem: "Hoje, temos dificuldade em produzir drogas que tenham efeitos desejados e não apresentem os efeitos colaterais. Cada vez mais se tem tentado encontrar alvos moleculares, como o PPAR gama, com atividades dentro da célula", disse.

A equipe do IOC pretende mostrar os efeitos adicionais ao conhecido efeito antioxidante da vitamina E e propor sua aplicação como um antiinflamatório que possa ser utilizado de forma mais ampla, inclusive em doenças com fundo infeccioso, como infecção por bactérias e outros microrganismos.

Sepse

O próximo passo da pesquisa será investigar as atividades pró e antiinflamatória da vitamina E com foco na sepse, doença inflamatória sistêmica que resulta da disseminação de bactérias a partir de um foco infeccioso e gera uma resposta inflamatória que pode acarretar óbito.

"A idéia é avaliar com certeza o efeito dela sobre o PPAR gama, para tentar caracterizá-lo melhor como benéfico ou maléfico", disse Adriana. Os resultados do estudo, segundo a pesquisadora corroboram com uma máxima famosa do filósofo grego Sócrates: "Nada em excesso".


Ver mais notícias sobre os temas:

Vitaminas

Alimentação e Nutrição

Medicamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Computador avalia sua personalidade melhor que seus amigos

Uma em cada cinco mulheres faz histerectomia sem precisar

Primeira anestesia descoberta em mais de 50 anos

"Tapete voador" de grafeno destrói células de câncer

Abacate reduz colesterol mais que dieta