Exercício físico intenso destrói células do sistema imunológico

Exercício físico intenso destrói células do sistema imunológico
A morte precoce de células do sistema imunológico torna os atletas de competição mais suscetíveis a infecções. Mas a equipe já está estudando suplementações para evitar esse risco.
[Imagem: Wikimedia]

Apoptose

Pesquisadores descobriram que o exercício físico intenso pode acelerar o processo de morte celular dos neutrófilos, células do sistema imunológico.

Importante para o equilíbrio do funcionamento do organismo, a morte celular programada, ou apoptose, é um mecanismo que deve ocorrer de forma ordenada - do contrário, há danos à saúde, como quando células tumorais, que deveriam morrer naturalmente, persistem.

"Várias células do nosso organismo estão morrendo [a cada instante] para que outras novas ocupem seu lugar. Assim ocorre com os neutrófilos, que têm um tempo desejado na corrente sanguínea porque novas células do tipo estão continuamente sendo produzidas na medula óssea, em um processo fisiológico equilibrado que é prejudicado se a apoptose é diminuída", explica a professora Tânia Cristina Curi, da Universidade Cruzeiro do Sul.

Neutrófilos

Mas parece que atividades físicas muito intensas podem disparar a apoptose antes da hora. E, mais importante, atingindo células do sistema imunológico.

Após cerca de quatro horas de prova e de percorrerem 21 quilômetros (km) a pé, 90 km de bicicleta e 2 km a nado, os atletas do triatlo tiveram seu sangue coletado pelos pesquisadores em laboratórios instalados sob tendas no local da competição. Antes de competirem, todos haviam passado por exames de laboratório e avaliações da composição corporal e da capacidade cardiorrespiratória.

Os dados revelaram a morte precoce das células do sistema imunológico conhecidas como neutrófilos.

Os neutrófilos são um subgrupo dos leucócitos, também chamados de glóbulos brancos, células encontradas no sangue cuja função é proteger o organismo contra agentes causadores de doenças, como bactérias. Quando há poucas dessas células o organismo fica mais sujeito a infecções. Este foi o caso de um grupo de 12 triatletas que participaram da pesquisa.

"A prática de exercício físico aeróbio acarreta um aumento da lipólise, processo de degradação de lipídeos em glicerol e ácidos graxos, que são utilizados em maior quantidade como fonte de energia. A presença em grande quantidade desses ácidos graxos, provocada pela exacerbação da lipólise, pode estar associada à apoptose precoce dos neutrófilos," indicou Tânia.

Glutamina

Os pesquisadores estão agora trabalhando em busca de alternativas terapêuticas à perda de neutrófilos por parte de atletas de competição.

"Não se pode simplesmente pedir a um atleta profissional que diminua suas atividades. Dessa forma, temos investigado estratégias de suplementação para minimizar a antecipação da apoptose, evitando que o atleta fique com seu sistema imunológico debilitado após exercícios intensos e mais vulnerável a infecções, entre outros riscos," explicou a pesquisadora.

Entre as suplementações estudadas está a de glutamina, aminoácido livre que atua como nutriente para as células imunológicas. "Nós investigamos o efeito molecular desse aminoácido, que é importante para a função de leucócitos, e constatamos que linfócitos e monócitos consomem altas taxas de glutamina. Os neutrófilos chegam a consumi-la mais do que a glicose, cuja taxa de consumo é de 460 nanomoles/hora/mg de proteína, enquanto que a de glutamina é de 770, quase o dobro", disse.

Ainda de acordo com a pesquisadora, a glutamina pode ser responsável por "manter a maquinaria da célula funcionando adequadamente e acabando por modular a função celular e, eventualmente, evitar a apoptose".


Ver mais notícias sobre os temas:

Atividades Físicas

Sistema Imunológico

Diversão

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.