Expectativa de vida de crianças e adolescentes com câncer terminal tem metodologia

Estimativa da expectativa de vida

Com o intuito de promover a qualidade de vida de crianças e adolescentes com câncer terminal e oferecer a elas um tratamento mais adequado às suas necessidades, a pesquisadora do Departamento de Pediatria do Hospital do Câncer A.C. Camargo, Andréa Kurashima, desenvolveu uma metodologia inovadora para estimar, de modo aproximado, a expectativa de vida desses pacientes.

A pesquisadora conduziu, em sua tese de doutorado, um estudo com 70 pacientes com câncer pediátrico fora de possibilidade terapêutica curativa atendidos pelo Grupo de Cuidados Paliativos do hospital.

Durante quatro anos, acompanhou os pacientes, que tinham idades entre 0 e 29 anos, para determinar quais fatores interferiam na qualidade de vida. A intenção era, por meio de características como a prevalência de alguns sintomas, validar indicadores para estimar o tempo de vida.

Sintomas e tipos de câncer

Andréa criou uma métrica que quantifica, por meio de notas numéricas, o quadro clínico do paciente com base em variáveis como os próprios sintomas e os tipos de câncer e tumor. A elaboração da contagem se baseia em quatro características, consideradas de alto impacto na sobrevida das crianças.

Cuidados da mãe aumenta sobrevida

A primeira é se o paciente tem diagnóstico de leucemia ou linfoma, duas doenças que foram agrupadas devido aos seus comportamentos clínicos semelhantes no organismo, ou se o diagnóstico é de um tumor sólido. Outra característica é se o paciente é cuidado pela mãe ou por outro membro da família.

"Os pacientes que vivem mais tempo com a mãe normalmente sobrevivem mais tempo. Esse foi um dos resultados de minha dissertação de mestrado, em que analisei 83 crianças para saber quais fatores têm mais impacto na sobrevida dos pacientes", disse Andréa, que é coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Oncológica da Fundação Antônio Prudente, vinculada ao Hospital do Câncer A.C. Camargo, à Agência FAPESP.

Estilo de vida

A terceira variável são as atividades dos pacientes em casa para que seus comportamentos e estilo de vida sejam avaliados. "Os familiares, que estão 24 horas por dia com o paciente, são as melhores pessoas para nos ajudar a entender a gravidade do problema. Muitos médicos e enfermeiros erram quando diagnosticam um quadro de fase terminal muito mais avançada do que é. Isso porque, na maior parte das vezes, nosso contato fica restrito à hora da consulta", explicou.

A última característica é saber, por meio de um exame de sangue, se o paciente tem anemia quando se iniciam os cuidados paliativos, que são os procedimentos médicos que não têm intenção de cura. "O paciente anêmico tem características, como cansaço e falta de vontade, que também nos auxiliam em sua estimativa de vida", disse.

Sintomas dão pistas

Com a somatória dos pontos dos quatro fatores, os médicos conseguem ter uma probabilidade, em porcentagens, de a criança estar viva em 60 dias após a consulta. "Os dois meses foram estipulados por serem o período ideal para fazer uma programação assistencial mais bem elaborada", explicou.

"Por outro lado, se a probabilidade for baixa sabemos que temos que correr contra o tempo no sentido de dar suporte psicossocial à família e trabalhar, o mais rápido possível, em cima dos sintomas para controlar o tumor. Algumas crianças chegaram a apresentar 22 sintomas de uma só vez", disse Andréa.

De um dia a mais de três anos

O período que as 70 crianças tiveram de sobrevida variou entre um dia e 39 meses após a entrada no hospital. Os principais sintomas apresentados pelos pacientes, que, segundo Andréa, também fornecem "pistas" que auxiliam na assistência médica, foram dor, nervosismo, sonolência, tristeza e falta de energia.

"Essa metodologia, que está sendo aplicada pelos profissionais do Departamento de Pediatria do Hospital A.C. Camargo, nos auxilia a ter estimativas mais confiáveis e diminuir as incertezas, uma vez que, ao saber que se trata de um câncer incurável, instintivamente os familiares querem saber o tempo de vida que o paciente terá", destacou Andréa.

Avaliação mais objetiva

Segundo ela, a estimativa fornecida pelos médicos, "que muitas vezes é empírica", encerra uma alta dose de responsabilidade. "Eles se apegam a esse tipo de informação e, quando a morte ocorre antes do que dizemos, a cobrança deles gera uma situação extremamente desagradável para todos os envolvidos nesse processo", disse.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Cuidados com a Família

Atendimento Médico-Hospitalar

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.