Cientistas querem construir fábrica de remédios dentro do corpo

Cientistas querem construir fábrica de remédio dentro do corpo
O hidrogel funcionará tanto como estrutura da biofábrica, quanto como suporte para as enzimas necessárias para produzir os medicamentos.
[Imagem: Alexander Zelikin Lab]

Em vez de tomar remédios, que tal ter uma fábrica de medicamentos dentro do próprio corpo?

Esta é a ideia da equipe do Dr. Alexander Zelikin, da Universidade de Aarhus (Dinamarca).

Mas não se preocupe: a biofábrica será feita de gel, para durar apenas o suficiente para tratar a doença específica para a qual ela foi projetada, e poderá ser injetada ou implantada.

As minúsculas fábricas serão feitas de hidrogel, que é fundamentalmente uma mistura de água e polímeros com características similares à gelatina.

O hidrogel funcionará tanto como estrutura da biofábrica, quanto como suporte para as enzimas necessárias para produzir os medicamentos.

Pró-drogas

O princípio é muito similar ao funcionamento de muitos medicamentos, de um tipo conhecido como pró-drogas. Eles são feitos de substâncias inativas, que são convertidas em substâncias ativas por enzimas já dentro do corpo.

A aspirina, por exemplo, é uma pró-droga, que só funciona quando o ácido acetilssalicílico é convertido pelo fígado em ácido alicílico.

"O problema com este tipo de pró-droga, no entanto, é que, após a conversão, elas geralmente são enviadas para o sangue no corpo inteiro, de modo que apenas uma fração atinge o lugar que dói. Este problema pode ser resolvido criando pró-fármacos que só podem ser transformados por enzimas específicas - e, em seguida, colocando estas enzimas no lugar específico do corpo que precisa do medicamento," explica Zelikin.

O projeto pretende construir dois tipos de fábricas de medicamentos implantáveis: a primeira será um stent, do tipo que usado em pacientes com bloqueio na artéria coronária, que se transformará em uma fábrica de medicamentos específicos para o tratamento da condição cardíaca.

O segundo tipo será constituído por pequenas partículas, que inicialmente poderão ser utilizadas para o tratamento de doenças como o câncer. As partículas produzirão tanto medicamentos, quanto agentes de contraste usados em exames, de modo que elas poderão ser usadas simultaneamente para tratamentos e diagnósticos.

O conceito é tão promissor que o Conselho de Pesquisas da União Europeia ofereceu um financiamento de €2 milhões para que Zelikin transforme seus primeiros experimentos em uma realidade prática.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Implantes

Robótica

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.