Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

11/02/2014

Cientistas querem construir fábrica de remédios dentro do corpo

Redação do Diário da Saúde
Cientistas querem construir fábrica de remédio dentro do corpo
O hidrogel funcionará tanto como estrutura da biofábrica, quanto como suporte para as enzimas necessárias para produzir os medicamentos.[Imagem: Alexander Zelikin Lab]

Em vez de tomar remédios, que tal ter uma fábrica de medicamentos dentro do próprio corpo?

Esta é a ideia da equipe do Dr. Alexander Zelikin, da Universidade de Aarhus (Dinamarca).

Mas não se preocupe: a biofábrica será feita de gel, para durar apenas o suficiente para tratar a doença específica para a qual ela foi projetada, e poderá ser injetada ou implantada.

As minúsculas fábricas serão feitas de hidrogel, que é fundamentalmente uma mistura de água e polímeros com características similares à gelatina.

O hidrogel funcionará tanto como estrutura da biofábrica, quanto como suporte para as enzimas necessárias para produzir os medicamentos.

Pró-drogas

O princípio é muito similar ao funcionamento de muitos medicamentos, de um tipo conhecido como pró-drogas. Eles são feitos de substâncias inativas, que são convertidas em substâncias ativas por enzimas já dentro do corpo.

A aspirina, por exemplo, é uma pró-droga, que só funciona quando o ácido acetilssalicílico é convertido pelo fígado em ácido alicílico.

"O problema com este tipo de pró-droga, no entanto, é que, após a conversão, elas geralmente são enviadas para o sangue no corpo inteiro, de modo que apenas uma fração atinge o lugar que dói. Este problema pode ser resolvido criando pró-fármacos que só podem ser transformados por enzimas específicas - e, em seguida, colocando estas enzimas no lugar específico do corpo que precisa do medicamento," explica Zelikin.

O projeto pretende construir dois tipos de fábricas de medicamentos implantáveis: a primeira será um stent, do tipo que usado em pacientes com bloqueio na artéria coronária, que se transformará em uma fábrica de medicamentos específicos para o tratamento da condição cardíaca.

O segundo tipo será constituído por pequenas partículas, que inicialmente poderão ser utilizadas para o tratamento de doenças como o câncer. As partículas produzirão tanto medicamentos, quanto agentes de contraste usados em exames, de modo que elas poderão ser usadas simultaneamente para tratamentos e diagnósticos.

O conceito é tão promissor que o Conselho de Pesquisas da União Europeia ofereceu um financiamento de €2 milhões para que Zelikin transforme seus primeiros experimentos em uma realidade prática.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Implantes

Robótica

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?