Falar dois idiomas aguça o cérebro e melhora atenção

Hardware cerebral

Ser bilíngue "refina" o sistema nervoso auditivo, permitindo filtrar melhor o que se ouve.

E isso melhora a atenção e a memória de trabalho.

Viorica Marian e Nina Kraus, da Universidade Northwestern (EUA) descobriram como isso ocorre em nível fisiológico.

Ou seja, ser bilíngue afeta o "hardware" cerebral.

Atenção, inibição e memória

Os cientistas descobriram que o fato de falar dois idiomas altera a forma como o sistema nervoso responde aos sons.

"As pessoas fazem palavras cruzadas e outras atividades para manter suas mentes afiadas. Mas as vantagens que descobrimos em falar dois idiomas vêm automaticamente apenas do fato de conhecer e usar dois idiomas," afirma Marian.

"Parece que os benefícios do bilingualismo são particularmente fortes e amplos, e incluem a atenção, a inibição e a codificação do som," completa a pesquisadora.

Os pesquisadores planejam fazer, a seguir, uma nova pesquisa para descobrir se os mesmos efeitos são obtidos quando se aprende um segundo idioma mais tarde na vida, e não enquanto jovem, como ocorreu com os participantes do estudo.

Filtrar barulhos

Os experimentos compararam a resposta cerebral a sons complexos de pessoas que falam inglês e espanhol e pessoas que falam apenas inglês.

Em um ambiente silencioso, o cérebro dos dois grupos se comportou de maneira muito similar.

Mas, em um ambiente de barulho, os bilíngues saíram-se muito melhor.

"Com a experiência de ajustar a atenção, o sistema auditório dos bilíngues torna-se altamente eficiente em processar automaticamente os sons," disse Kraus.

Já se sabia que falar dois idiomas acelera o desenvolvimento cognitivo de criança.

Outra pesquisa, realizada na mesma universidade, também já havia demonstrado que falar dois idiomas retarda sintomas de Alzheimer.


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Cérebro

Mente

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.