Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

22/12/2015

Falso-positivo em mamografia aumenta risco de câncer real

Redação do Diário da Saúde
Falso-positivo em mamografia aumenta risco de câncer real
Numerosos estudos na América do Norte, Europa e Austrália têm demonstrado que os benefícios da mamografia foram superestimados.[Imagem: KCL]

O falso que vira positivo

Mulheres que passaram pela dolorosa experiência de um resultado falso-positivo ao fazer mamografia preventiva podem ter um risco aumentado de desenvolver câncer de mama até 10 anos após o resultado falso-positivo.

Estudos já haviam mostrado que as mulheres sofrem anos após receber um falso-positivo de uma mamografia - esses traumas e tratamentos desnecessários são uma das principais razões da recente queda de popularidade da mamografia entre os especialistas.

A equipe da Dra Louise M. Henderson, da Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, constatou agora que não se trata apenas um trauma psicológico: as mulheres com histórico de falso-positivo têm um risco aumentado de ter um câncer verdadeiro no futuro.

Risco aumentado

Segundo a equipe, ao longo de 10 mamografias preventivas, a chance de pelo menos um resultado falso-positivo é de 61% para mulheres que fazem o exame anualmente e de 42% para as mulheres rastreadas a cada dois anos. Ao receber um resultado positivo na mamografia, as mulheres são normalmente encaminhadas para imagens adicionais. Algumas delas serão encaminhadas a seguir para uma biópsia da mama.

Henderson e seus colegas analisaram dados de 1994 a 2009, somando 2,2 milhões de mamografias realizadas nos EUA em 1,3 milhão de mulheres, com idades entre 40 e 74 anos. Após a triagem inicial, as mulheres foram seguidas durante 10 anos, permitindo avaliar o risco de câncer da mama de todas elas ao longo do tempo.

Após ajustar os dados para os fatores tradicionais que influenciam o risco do câncer de mama, a equipe descobriu que as mulheres cujos resultados das mamografias foram classificados como falso-positivos e foram encaminhadas para um exame de imagem adicional tiveram um risco 39% maior de desenvolver o câncer de mama durante os 10 anos seguintes, em comparação com as mulheres que tiveram apenas resultados negativos.

As mulheres que tiveram um resultado falso positivo e foram encaminhadas para a biópsia da mama tiveram uma probabilidade 76% maior de desenvolver câncer de mama no mesmo período em comparação com as mulheres com resultado negativo.

Sem preocupações desnecessárias

A Dra Henderson ressalva que ela não espera que esses resultados aumentem a ansiedade sobre as mamografias, explicando que o aumento do risco absoluto com uma mamografia falso-positiva é modesto.

"Nós não queremos que as mulheres leiam isto e sintam-se preocupadas," disse ela. "Nossa intenção é que nossos resultados sejam uma ferramenta útil no contexto de outros fatores de risco," tais como idade, raça e histórico familiar de câncer de mama.

O estudo foi publicado no periódico Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, um jornal da Associação Norte-americana para Pesquisa do Câncer.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Prevenção

Câncer

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?