Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

22/05/2013

Falta de iodo na gravidez pode afetar inteligência de crianças

Redação do Diário da Saúde

A deficiência de iodo na gravidez pode afetar a inteligência de crianças em idade escolar.

Esta conclusão é de um estudo, publicado na revista científica Lancet, que acompanhou 1.040 grávidas na Grã-Bretanha - da gravidez, até que as crianças atingissem a idade escolar.

Os exames mostraram deficiência de iodo em dois terços das mães pesquisadas - uma taxa iodo-creatinina menor do que 150 microgramas/g.

O iodo é um nutriente essencial para a produção de hormônios pela glândula tireoide, que tem um efeito direto no desenvolvimento do cérebro do feto.

Até recentemente acreditava-se que a deficiência do nutriente era um problema restrito aos países em desenvolvimento.

Os pesquisadores concluíram que as mães com níveis baixos de iodo durante a gravidez tiveram crianças com um rendimento escolar ligeiramente abaixo dos seus colegas.

Mas o estudo também tem suas próprias deficiências.

A principal delas é o uso do teste de QI (quociente de inteligência) para avaliar as crianças, que foram submetidos a testes aos oito e aos nove anos.

Além das pesadas críticas que este tipo de avaliação recebe dentro da própria comunidade científica, já se demonstrou que motivação e hábitos de estudo importam mais que o QI quando se considera o rendimento global dos estudantes.

Outro problema é a ingestão de alimentos sabidamente ricos em iodo durante a gestação, como peixes e laticínios.

Apesar de se saber que deficiências severas de iodo na mãe possam afetar o desenvolvimento cerebral do bebê, inúmeras mulheres ainda recebem orientações de seus médicos para moderarem o consumo de peixe por medo de um outro elemento, o mercúrio, ainda que se saiba que a ingestão de peixe na gravidez pode, por exemplo, diminuir a chance de alergias nos bebês.

Deficiências à parte, o estudo agora publicado revelou um padrão, com as crianças de mães com baixo nível de iodo apresentando um QI cerca de três pontos abaixo de seus colegas - por volta de 2% de variação.

Isto significa, segundo os pesquisadores, que a deficiência de iodo pode "impedir que crianças atinjam seu potencial pleno".

Mas eles rapidamente desaconselham a ingestão de pílulas de algas marinhas pelas grávidas porque elas contêm doses de iodo altas demais.

Ou seja, nada parece ter mudado em relação à recomendação básica dada às gestantes: siga uma dieta balanceada.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Alimentação e Nutrição

Educação

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão