Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

31/05/2016

Febre Q pode ser confundida com dengue

Com informações da Fiocruz

Febre Q

Dores no corpo, febre, náusea, vômito, cansaço e dor de cabeça.

Estas manifestações, muito comuns no quadro clínico de dengue e de outras viroses de grande circulação no Brasil, também podem estar associadas a uma doença ainda pouco conhecida no país: a febre Q.

Causada pela bactéria Coxiella burnetii, a doença é transmitida aos humanos pela inalação de partículas contaminadas do ar ou pelo contato com o leite, fezes, urina, muco vaginal ou sêmen de gado, ovelhas, cabras e outros mamíferos domésticos, incluindo cães e gatos, quando infectados, o que associa sua ocorrência sobretudo a ambientes com características rurais.

A ausência de dados epidemiológicos sobre o agravo e a possibilidade de seus sintomas serem confundidos com diversas outras doenças acenderam o alerta para os pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Febre Q no Brasil

Elba Lemos e Maria Angélica Mares Guia, estudaram técnicas avançadas para detectar a presença de C. burnetii em nove pacientes durante um surto da doença em Itaboraí, município do Rio de Janeiro e separar a doença da dengue.

Foi em Itaboraí que a Fiocruz detectou, em 2008, por meio de análise molecular, o primeiro caso confirmado de febra Q no Brasil. Agora, além do Rio de Janeiro, casos de febre Q já foram confirmados em Minas Gerais e São Paulo.

No total, 272 pacientes foram analisados. Destes, 166 tiveram a confirmação para dengue e nove foram diagnosticados com febre Q. Um dos pacientes apresentou infecção pelos dois patógenos.

"Embora a quantidade de amostras positivas para febre Q pareça inexpressiva, chama atenção a correlação que os profissionais de saúde fizeram com a dengue no momento do diagnóstico clínico. Por ser uma zoonose complexa e ter poucos casos registrados, a febre Q ainda é muito negligenciada. Embora não exista em grande número, ela nos preocupa devido à resistência do patógeno e sua perpetuação no ambiente, podendo causar surtos", disse Elba.

Tratamento para febre Q

Quando houver suspeita de febre Q, o paciente precisa ser imediatamente medicado para uma melhora significativa.

"Simples e de baixo custo, o tratamento adequado consiste na utilização de um antibiótico específico por aproximadamente 3 semanas. No caso crônico da doença, esse período pode se estender por meses", explica.

Com o tratamento correto realizado nos primeiros três dias da doença, as manifestações clínicas, como a febre, podem cessar em 72 horas. Porém, caso não receba a medicação apropriada, o paciente pode ter a doença agravada.


Ver mais notícias sobre os temas:

Infecções

Bactérias

Epidemias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão