Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

29/07/2016

Felicidade: Liberdade e autodesenvolvimento importam mais que dinheiro

Redação do Diário da Saúde
Liberdade e autodesenvolvimento faz pessoas mais felizes que renda
O tempo vale mais do que o dinheiro quando o assunto é felicidade. E você pode tentar também contagiar-se com pessoas felizes.[Imagem: SPSP.org]

Valores não-materialistas

Se quiserem focar no bem-estar dos seus cidadãos, os governos deveriam mudar o foco, abandonando a busca pelo aumento da renda ou do Produto Interno Bruto do país, e focando em formas de aumentar a sensação de liberdade e autoexpressão das pessoas.

Em outras palavras, para aumentar o sentimento de felicidade, os governos devem promover valores não-materialistas - experiências intangíveis, incluindo coisas como a participação dos cidadãos e seu empoderamento para influir nos poderes decisórios.

Ao menos é assim no caso dos países ricos, onde a maioria da população já tem suas necessidades mínimas atendidas, e não há pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza - a equipe do professor Gerrit Antonides, da Universidade Wageningen, chegou a essas conclusões depois de estudar o caso da Holanda.

Sutileza governamental

A redução da desigualdade de renda tem um efeito positivo inegável sobre a felicidade, mas, quando o tema é estudado em profundidade, ao lado das preocupações econômicas surgem aspectos geralmente deixados de lado, como uma distribuição mais equitativa das tarefas domésticas.

A sensação de bem-estar em termos sociais também aumenta quando os indivíduos sentem-se menos limitados por regras e leis excessivas.

"O governo não deveria tentar realizar essas mudanças por meio de incentivos ou regulamentos relevantes, mas sim incentivando a mudança através de uma variedade de medidas sutis," recomenda Antonides.

Vida sustentável é melhor

Para o pesquisador, o governo também faria bem promovendo um modo de vida sustentável, pela simples razão de que o consumo sustentável proporciona aos consumidores uma sensação melhor.

"Isto inclui, por exemplo, uma inversão da atual abordagem de rotular os produtos verdes. Em vez disso, devemos rotular os produtos não-sustentáveis, de modo que o produto sustentável torne-se a norma, e não a exceção," recomenda Antonides.

"Afinal de contas, o consumo não sustentável gera um sentimento de remorso e culpa, assim como a prevenção de emoções negativas pesa mais para o consumidor do que o incentivo à experiência de sentimentos positivos,' concluiu o pesquisador.


Ver mais notícias sobre os temas:

Felicidade

Qualidade de Vida

Trabalho e Emprego

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?