Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

21/01/2012

Nova técnica de fertilização usa DNA de duas mães e um pai

Com informações da BBC

Três DNAs

Cientistas dizem estar preparados para fazer uma reprodução assistida onde um bebê terá três pais - provavelmente duas mães e um pai.

A técnica substitui material genético defeituoso no óvulo para eliminar doenças raras presentes na mitocôndria, um componente celular que tem a presença de material genético.

Embora raras, essas síndromes podem causar a morte prematura das crianças.

Para isso, é necessário coletar material genético de uma terceira pessoa, além dos pais.

O que você acham?

A nova técnica de fertilização in vitro é tão polêmica que o governo britânico decidiu levar o assunto para discussão pública.

O governo afirma que a aprovação ou não da "fertilização in vitro de três pessoas" vai depender do que a sociedade disser.

O método atualmente é usado apenas em pesquisas, mas agora os médicos afirmam estar prontos para aplicá-lo em humanos.

O órgão do governo britânico não divulgou quais são as universidades envolvidos nas pesquisas.

DNA mitocondrial

A mitocôndria é considerada a usina de energia das células.

Como os núcleos das células, a mitocôndria contém DNA, ainda que em pequenas quantidades.

Em média, 1 em cada 5.000 bebês nasce com problemas hereditários em seu DNA mitocondrial.

A proposta da nova técnica é eliminar esses problemas genéticos substituindo a mitocôndria defeituosa.

A técnica consiste no uso de dois óvulos - um da mãe do feto e outro de uma doadora. O núcleo do óvulo doado é removido e substituído pelo núcleo do óvulo da mãe.

Em princípio, o embrião resultante teria uma mitocôndria saudável, sem o problema genético da mãe.


Ver mais notícias sobre os temas:

Reprodução Assistida

Genética

Ética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão