Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/06/2015

Fibras ópticas de uso médico entram em veias mais finas

Redação do Diário da Saúde
Fibras ópticas de uso médico entram em veias mais finas
As fibras ópticas para uso médico poderão ser inseridas em vasos sanguíneos menores e mais estreitos, com menores riscos de danos físicos.[Imagem: Fraunhofer IZM]

Terapias endovenosas

A terapia endovenosa a laser é largamente utilizada em tratamentos de varizes, trombose e outros problemas venosos.

Os equipamentos médicos mais modernos para cauterizar as veias de uma forma minimamente invasiva usam fibras ópticas.

Essas fibras foram adaptadas da sua utilidade original, que é transmitir dados, mas ainda não atendiam a todos os casos, ou porque poderiam ser mais seguras, ou porque veias muito finas também podem necessitar de tratamento.

Agora, engenheiros do Instituto Fraunhofer (Alemanha) desenvolveram um método de processamento a laser que permite a fabricação de fibras ópticas especificamente para uso médico, com uma qualidade muito superior à atual.

Fibras ópticas de uso médico

Durante os procedimentos da terapia endovenosa, uma fibra óptica revestida com plástico, medindo 0,5 milímetro de diâmetro, é inserida no vaso sanguíneo afetado. A luz do laser é conduzida ao longo da fibra, até chegar à sua ponta, onde a forte luz, com uma temperatura de várias centenas de graus, cauteriza o tecido.

Para garantir que a luz atinja as paredes laterais da veia diretamente, a ponta da fibra é recortada em forma de cone, formando uma superfície refletora para a luz do laser. Uma tampa de vidro impede que o sangue se deposite diretamente na extremidade da fibra, o que poderia alterar as características ópticas do laser. A tampa também protege o paciente de lesões geradas pela ponta muito fina.

Ponta ajustada

Com a nova técnica, esse aparato final da fibra é significativamente menor, além de eliminar a ponta do cone, tornando a ponta da fibra mais compacta e com menor risco de causar danos nas veias.

Além disso, conforme destaca o professor Henning Schroder, líder da equipe, agora as fibras poderão ser inseridas em vasos sanguíneos ainda menores e mais estreitos, tornando os tratamentos mais completos e mais eficazes.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Sistema Circulatório

Cirurgias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?