Flor japonesa tem composto promissor anti-HIV

Flor japonesa tem composto promissor anti-HIV
A planta Hypericum chinense, conhecida no Japão como biyouyanagi, além de suas belas flores amarelas, produz compostos químicos potentes, conhecidos como biyouyanagins.
[Imagem: KENPEI/Wikimedia]

Biblioteca química

Utilizando compostos químicos encontrados em uma planta japonesa e luz ultravioleta, uma equipe do Instituto de Pesquisas Scripps, nos Estados Unidos, criou uma "biblioteca química" com dezenas de compostos sintéticos com potencial biomédico.

Embora tenham estudado apenas uma parcela deles até agora, os cientistas já descobrirem que um dos compostos é capaz de combater a inflamação e inibir a replicação do vírus HIV.

Os pesquisadores agora planejam otimizar o potencial do composto farmacêutico para que ele possa entrar no processo de desenvolvimento de um novo medicamento.

Biyouyanagi

A planta Hypericum chinense, conhecida no Japão como biyouyanagi, além de suas belas flores amarelas, produz compostos químicos potentes, conhecidos como biyouyanagins.

Da mesma família da Erva de São João, os biyouyanagins possuem uma intrigante estrutura molecular, com potencial para atuarem não apenas na luta contra o HIV, mas também em aplicações antitumorais.

Anti-HIV e anti-inflamatório

O composto número 53 da nova biblioteca se destacou.

Um lado da sua estrutura é essencialmente a mesma de um biyouyanagin natural, enquanto o outro lado é um agrupamento com uma identidade estrutural, como as bases encontradas no DNA.

No teste do HIV, ele é comparável ao conhecido medicamento anti-Aids, o AZT, embora não seja tão potente.

Nos testes de anti-inflamatórios, ele se mostrou tão ou mais potente do que os produtos comercialmente disponíveis.

Este composto especial ainda não foi testado contra o arenavírus, mas o professor K.C.Nicolaou, coordenador da pesquisa, afirma estar esperançoso que a equipe irá eventualmente encontrar atividade interessante também nessa área.

"Nós estamos certamente entusiasmados ao ver esses resultados," diz Nicolaou. "É uma pista bastante promissora."

Agora a equipe vai alterar a estrutura inicial do composto 53 em busca de modificações que aumentem sua potência e, em seguida, iniciar o processo de teste de novas drogas.

Química natural e química sintética

Dentro da área biomédica, muitos pesquisadores argumentam que os produtos naturais são o melhor caminho para a descoberta de novos medicamentos. Outros louvam o potencial de projetar drogas completamente sintéticas.

"Eu pertenço a ambos os lados", afirma Nicolaou, afirmando que prefere começar com os produtos naturais e, em seguida, modificá-los de várias formas para criar novos produtos sintéticos de maior potência. "A força desta técnica está em que ela nos permite trabalhar em cima das estruturas naturais para fazer uma nova família de compostos."

Todos os compostos na nova biblioteca química são consideradas moléculas pequenas, como a aspirina.

Nicolaou acredita que isto oferece o melhor potencial biomédico. Moléculas grandes, como as proteínas, estão encontrando novas aplicações médicas, mas elas têm de ser injetadas, são frequentemente de curta duração e muito caras.

"Se você puder descobrir moléculas pequenas que funcionam, elas são baratas e duram o tempo suficiente no corpo para fazer seu trabalho," diz o cientista.

O Instituto de Pesquisas Scripps é uma das maiores organizações de pesquisa biomédica do mundo, independente e sem fins lucrativos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.