Toxicidade: medição feita em animais não serve para humanos

Gavagem

Desafiando décadas de prática científica e médica na avaliação do risco que substâncias químicas representam para os seres humanos, um novo estudo mostrou as falhas do método mais usado nos animais de laboratório para testar a toxicidade química.

Depois de revisar mais de 60 estudos sobre o tema, os especialistas concluíram que a técnica de sonda oral - também conhecida como gavagem - não replica a forma como os seres humanos são expostos aos produtos químicos na vida cotidiana.

A gavagem refere-se ao modo como os médicos e cientistas dão produtos químicos para os animais, colocando um tubo goela abaixo para depositar as substâncias diretamente no estômago.

Ela tem sido usada há décadas por toxicologistas, e é atualmente o método de dosagem mais empregado por agências reguladoras nacionais para medir a toxicidade potencial de compostos químicos, como os desreguladores endócrinos - o Bisfenol A (BPA) é o exemplo mais discutido atualmente.

"Concluímos que a sonda esofágica pode ser preferível a outras rotas para algumas substâncias químicas ambientais em algumas circunstâncias, mas ela não modela adequadamente exposições alimentares humanas para muitos produtos químicos. Como ela contorna vias de exposição, é estressante e, portanto, interfere com respostas endócrinas, a gavagem deve ser abandonada como a rota padrão de administração para avaliações de risco dos disruptores endócrinos," afirmou Laura Vandenberg, líder do estudo.

Laura, que trabalha na Universidade de Massachusetts (EUA), fez o estudo juntamente com colegas da Universidade de Missouri-Columbia (EUA) e da Universidade de Toulouse (França).

Desvantagens da sonda gástrica

Segundo os pesquisadores, a principal desvantagem da sonda gástrica é que a técnica ignora a boca, o que significa que os animais experimentam "diferenças dramáticas na absorção, biodisponibilidade e metabolismo" em relação ao que os seres humanos experimentam quando comem.

E é por meio da alimentação que se acredita que a maioria das pessoas é exposta aos desreguladores endócrinos, como o BPA.

Além disso, os autores apontam que o protocolo da gavagem em si pode induzir respostas de estresse no sistema endócrino, o que pode confundir a avaliação dos compostos químicos nos exames de toxicidade.

"Propomos a exploração de alternativas [à gavagem] para imitar a exposição humana quando existirem várias vias de exposição ou fontes e quando as exposições forem crônicas," concluem os cientistas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Intoxicação

Cobaias

Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.