Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/07/2014

Toxicidade: medição feita em animais não serve para humanos

Redação do Diário da Saúde

Gavagem

Desafiando décadas de prática científica e médica na avaliação do risco que substâncias químicas representam para os seres humanos, um novo estudo mostrou as falhas do método mais usado nos animais de laboratório para testar a toxicidade química.

Depois de revisar mais de 60 estudos sobre o tema, os especialistas concluíram que a técnica de sonda oral - também conhecida como gavagem - não replica a forma como os seres humanos são expostos aos produtos químicos na vida cotidiana.

A gavagem refere-se ao modo como os médicos e cientistas dão produtos químicos para os animais, colocando um tubo goela abaixo para depositar as substâncias diretamente no estômago.

Ela tem sido usada há décadas por toxicologistas, e é atualmente o método de dosagem mais empregado por agências reguladoras nacionais para medir a toxicidade potencial de compostos químicos, como os desreguladores endócrinos - o Bisfenol A (BPA) é o exemplo mais discutido atualmente.

"Concluímos que a sonda esofágica pode ser preferível a outras rotas para algumas substâncias químicas ambientais em algumas circunstâncias, mas ela não modela adequadamente exposições alimentares humanas para muitos produtos químicos. Como ela contorna vias de exposição, é estressante e, portanto, interfere com respostas endócrinas, a gavagem deve ser abandonada como a rota padrão de administração para avaliações de risco dos disruptores endócrinos," afirmou Laura Vandenberg, líder do estudo.

Laura, que trabalha na Universidade de Massachusetts (EUA), fez o estudo juntamente com colegas da Universidade de Missouri-Columbia (EUA) e da Universidade de Toulouse (França).

Desvantagens da sonda gástrica

Segundo os pesquisadores, a principal desvantagem da sonda gástrica é que a técnica ignora a boca, o que significa que os animais experimentam "diferenças dramáticas na absorção, biodisponibilidade e metabolismo" em relação ao que os seres humanos experimentam quando comem.

E é por meio da alimentação que se acredita que a maioria das pessoas é exposta aos desreguladores endócrinos, como o BPA.

Além disso, os autores apontam que o protocolo da gavagem em si pode induzir respostas de estresse no sistema endócrino, o que pode confundir a avaliação dos compostos químicos nos exames de toxicidade.

"Propomos a exploração de alternativas [à gavagem] para imitar a exposição humana quando existirem várias vias de exposição ou fontes e quando as exposições forem crônicas," concluem os cientistas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Intoxicação

Cobaias

Medicamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?