Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/12/2015

Gel ataca câncer com células anticâncer

Redação do Diário da Saúde
Gel ataca câncer com células anticâncer
Sophie Lerouge e Réjean Lapointe examinam o biogel no qual são incorporados linfócitos T, que destroem os tumores. [Imagem: CRCHUM]

Biogel

Um novo biogel injetável mostrou-se eficaz na entrega de agentes anticâncer diretamente nos tumores cancerígenos, que foram então destruídos.

Depositar os medicamentos diretamente no tumor é um sonho antigo da Medicina e dos pacientes que precisam sofrer com os efeitos colaterais das quimioterapias, que espalham o medicamento por todo o corpo, causando os efeitos indesejáveis.

O biogel, desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Montreal (Canadá), já foi testado com sucesso em laboratório.

Se ele funcionar em pacientes, essa terapia poderia revolucionar o tratamento de muitas formas de câncer.

Células imunológicas anticâncer

O biogel é líquido à temperatura ambiente, assumindo sua identidade de gel a 37 graus Celsius - não por acaso, a temperatura do corpo humano. Assim, depois de aplicado, ele "gelifica" no local do tumor e começa a liberar os medicamentos.

"A força deste biogel é que ele é compatível com as células imunológicas anticâncer. Ele é usado para encapsular essas células e pode ser aplicado usando uma seringa ou um cateter diretamente para dentro do tumor ou ao lado dele," explica o pesquisador Réjean Lapointe.

"Em vez de injetar essas células ou drogas anticâncer em todo o corpo através da corrente sanguínea [como na quimioterapia], podemos tratar o câncer localmente. Esperamos que esta abordagem melhore as imunoterapias atuais," completou.

Imunoterapia

As células imunológicas anticâncer a que o pesquisador se refere são os linfócitos T ou células T, que são produzidas naturalmente pelo corpo humano e têm a capacidade de destruir as células cancerosas.

Contudo, elas geralmente são muito fracas e em quantidade pequena demais para erradicar o câncer sozinhas. Nas imunoterapias atuais, as células T são cultivadas em laboratório - muitas vezes, as células do próprio paciente - e, em seguida, reinjetadas no sangue do paciente.

Embora esta forma de imunoterapia - chamada terapia celular adotiva - venha mostrando resultados animadores em casos de câncer em estado avançado, nem sempre é possível obter células T suficientes.

Aplicando as células diretamente no tumor, com a ajuda do biogel, o número de células T necessárias pode ser drasticamente reduzido. "Nós também podemos administrar compostos que 'despertam' o sistema imunológico para lutar contra o câncer," finalizou Lapointe, cujo estudo foi publicado na revista Biomaterials.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Sistema Imunológico

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?