Gordura marrom pode ajudar na luta contra envelhecimento

Ação da gordura corporal pode levar a intervenções contra envelhecimento
Pequenas moléculas de RNA liberadas pela gordura marrom no sangue regulam a expressão de genes-chave para o metabolismo em outros tecidos, como no fígado.
[Imagem: Marcelo Mori]

Intervenções contra envelhecimento

Nos últimos poucos anos, está ocorrendo uma mudança radical na forma como cientistas e médicos encaram a gordura no corpo humano.

Muito além de um simples depósito de energia, hoje já se sabe, por exemplo, que a gordura corporal tem neurônios que falam com o cérebro e que a gordura marrom é um órgão endócrino que controla o metabolismo.

Agora, uma equipe internacional, com participação de pesquisadores brasileiros, descobriu que o tecido adiposo marrom secreta pequenas moléculas de RNA que caem na circulação sanguínea e regulam, em tecidos distantes como o fígado, a expressão de genes importantes para o metabolismo.

No caso de pessoas idosas, a produção desses microRNAs no tecido adiposo tende a diminuir com o envelhecimento, um fenômeno que, segundo os autores do estudo, parece estar associado ao desenvolvimento de doenças comuns em idosos, como diabetes. A descoberta abre caminho para o desenvolvimento de intervenções capazes de reverter o processo.

"De fato, intervenções nessa via podem ser bastante promissoras no tratamento de doenças associadas ao envelhecimento e fazer com que as pessoas vivam por mais tempo e de forma mais saudável," afirmou Marcelo Mori, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Da gordura ao fígado

Embora não contenham informações para a tradução de proteínas, os microRNAs, pequenos pedacinhos de RNA, desempenham uma função regulatória importante nas células, sendo capazes de se ligar a moléculas de RNA mensageiro, podendo, por exemplo, inibir o processo de tradução de uma proteína.

O processo documentado pela equipe envolve uma enzima chamada DICER, pertencente à família das nucleases, que é capaz de cortar a molécula de RNA em pedaços menores, originando os microRNAs.

Os experimentos mostraram que esses microRNAs liberados pelo tecido adiposo na circulação de fato interferem na expressão gênica de outros tecidos, um processo mediado pela proteína FGF21 - um fator de crescimento que controla várias funções metabólicas, entre elas a sinalização por insulina, captação de glicose, metabolismo lipídico e ingestão alimentar. Essa proteína é expressa principalmente no fígado.

O estudo foi publicado na revista Nature.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Alimentação e Nutrição

Terceira Idade

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.