Gotas de leite sob a língua diminuem alergia infantil

Gotas de leite sob a língua diminuem alergia infantil
Em um estudo preliminar, feito sob estrito acompanhamento médico, crianças que receberam gotas de leite sob a língua, ou doses crescentes de proteína do leite, apresentaram redução nos sintomas da alergia ao leite.
[Imagem: Stefan Kühn]

Alergia ao leite

Colocar pequenas quantidades de proteínas do leite sob a língua das crianças que são alérgicas ao leite pode ajudá-los a superar suas alergias, de acordo com um pequeno estudo realizado na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

A abordagem, conhecida como SLIT (SubLingual Immune Therapy: terapia imunológica sublingual), consiste em dar às crianças doses pequenas, mas crescentes, dos alimentos a que elas são alérgicas.

Isto é feito até que seu sistema imunológico "aprenda" a tolerar os alimentos, sem provocar uma reação alérgica ou provocando apenas sintomas leves.

Imunoterapia oral

Pesquisas anteriores em crianças mostraram que uma abordagem semelhante, conhecido como imunoterapia oral, pode tratar com sucesso crianças com alergias ao leite. Ao contrário do SLIT, a imunoterapia oral consiste na ingestão direta da proteína do leite, em vez de simplesmente colocá-la debaixo da língua.

O presente estudo sugere que as duas abordagens podem ser eficazes no tratamento das alergias ao leite na maioria dos pacientes, afirmam os autores, mas que a imunoterapia oral parece ser ligeiramente mais eficaz do que o SLIT.

Os pesquisadores alertam que os resultados são preliminares e que as duas abordagens devem ser comparados em grupos maiores, antes de a sua eficácia poder ser confirmada.

Técnicas de tratamento de alergias

Embora as duas técnicas de tratamento das alergias exponham o paciente a doses progressivamente maiores dos alimentos alergênicos, o SLIT é feito com doses menores e, portanto, com menor risco de uma reação alérgica severa.

Os pesquisadores advertem que ambas as terapias podem levar a violentas reações alérgicas em alguns pacientes, e que estas pesquisas foram feitas sempre sob supervisão atenta de uma equipe médica.

"Estamos muito animados de ver que as duas abordagens podem obter uma melhoria significativa das crianças com alergias ao leite, mas nós continuamos a ver uma tolerância ligeiramente melhor nas crianças que passaram pela imunoterapia oral," diz o pesquisador Robert Wood. "No entanto, o SLIT surge como uma nova arma em nosso arsenal, ainda que um pouco menos potente."

Proteínas do leite

No estudo, todas as 30 crianças, com idades entre 6 e 17 anos, foram tratadas com gotas de leite debaixo da língua (SLIT) durante várias semanas, até que se alcançasse um nível razoável de tolerância.

Uma vez que a tolerância mínima foi alcançada, as crianças foram divididas em dois grupos. Dez crianças continuaram seu tratamento com o SLIT, enquanto as outras 20 passaram a consumir leite em pó por via oral (OIT: imunoterapia oral).

Após três meses de tratamento, com doses cada vez mais elevados de proteína do leite, todas as crianças foram submetidas a um desafio alimentar, em ambiente hospitalar, sob estrita supervisão médica.

Menos sintomas da alergia

Todas as crianças do grupo OIT foram capazes de beber leite em média, sete vezes mais, em relação ao início da pesquisa, sem apresentar uma reação alérgica ou apresentando sintomas leves. Nove das 10 crianças tratadas com gotas de leite debaixo da língua, também obtiveram o mesmo resultado - ou seja, um resultado de 100% para a técnica OIT e de 90% para a técnica SLIT.

Crianças de ambos os grupos apresentaram sintomas alérgicos igualmente frequentes durante o tratamento. No grupo "debaixo da língua", 33 por cento das 3.619 doses de leite administradas causaram sintomas, em comparação com 35 por cento das 3.773 doses no grupo "via oral". A maioria dos sintomas foi leve, sendo os mais comuns irritação e coceira na boca.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alergias

Alimentação e Nutrição

Conservação de Alimentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.