Grávidas com problemas cardíacos têm mais chance de terem meninas

Grávidas com problemas cardíacos dão à luz mais meninas
São os cromossomos do pai que determinam o sexo dos bebês - mas parece que o coração das mães tem sua participação.
[Imagem: Wikimedia/Tom and Katrien]

E os cromossomos?

Mulheres com problemas cardíacos têm uma probabilidade muito maior de dar à luz meninas do que bebês do sexo masculino.

Esta estatística inusitada foi apresentada durante o Congresso Mundial de Cardiologia, realizado em Dubai, nos Emirados Árabes.

O que mais chama a atenção é que são os cromossomos do pai que são tidos como únicos determinantes do sexo dos filhos.

Contudo, o estudo constatou que três quartos das 216 crianças nascidas de 200 mulheres grávidas diagnosticadas com doença cardíaca eram do sexo feminino.

Sem explicação

"Acreditamos que este seja o primeiro estudo a verificar a relação entre gênero e doença cardíaca da mãe," disse o Dr. A. Alizadehasl, da Universidade de Tabriz (Irã). "Esperamos que isto leve a uma investigação mais aprofundada nessa área."

A Dra. Kathryn Taubert, da Federação Mundial do Coração concorda: "Esta é uma observação muito interessante. Os cromossomos no esperma do homem são responsáveis pelo sexo do bebê, mas este estudo sugere que pode haver uma relação entre o estado de saúde da mãe e o sexo dos bebês.

"Como o número de mulheres com doença cardíaca está aumentando em todo o mundo, esta pode vir a se tornar uma área muito interessante para futuras pesquisas," afirmou.

Coração feminino

O estudo analisou o sexo das crianças nascidas de mulheres com diagnóstico de doença cardíaca.

64% dessas mulheres tinha diagnóstico de doença valvular, 19% possui cardiomiopatia dilatada, enquanto 14% apresenta doença cardíaca congênita residual ou não corrigida.

As 200 mulheres deram à luz 216 bebês, dos quais 75% eram do sexo feminino.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Gênero

Coração

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.