Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

22/02/2013

Após infarto, coração é recuperado com gel injetável

Redação do Diário da Saúde

Reconstrução do coração

Cientistas da Universidade da Califórnia em San Diego (EUA) criaram um hidrogel capaz de reparar danos ao coração gerados por ataques cardíacos.

O hidrogel, que é injetável, induziu não apenas o crescimento dos tecidos do músculo cardíaco, como também dos vasos sanguíneos, restabelecendo em grande parte o funcionamento normal do coração.

O gel é injetado através de um catéter, sem exigir uma cirurgia e nem anestesia geral, um processo menos invasivo e com menor risco para o paciente.

"Nossos dados mostram que o hidrogel pode aumentar o músculo cardíaco e reduzir cicatrizes na região danificada pelo ataque do coração, impedindo a insuficiência cardíaca. Estes resultados sugerem que esta pode ser uma terapia minimamente invasiva para prevenir a insuficiência cardíaca após um ataque de coração em humanos," disse a Dra Karen Christman, coordenadora do estudo.

O gel forma uma estrutura parecida com um andaime nas áreas danificadas do coração, servindo de suporte para o crescimento de novas células cardíacas.

Como o gel é feito a partir de tecido cardíaco retirado do coração de suínos, o coração danificado responde positivamente, "criando um ambiente harmonioso para a reconstrução", em vez de desencadear uma sucessão de eventos adversos pelas defesas do sistema imunológico, disse a pesquisadora.

Hidrogel injetável regenera coração após infarto
A área escura (Figura A) mostra a região do coração danificada pelo ataque cardíaco. Na Figura B, a mesma área está quase totalmente recuperada após a injeção do hidrogel. [Imagem: Karen Christman/UCSD]

Coração pasteurizado

O hidrogel foi fabricado a partir do tecido conjuntivo cardíaco, do qual são retiradas as células do músculo cardíaco através de um processo de limpeza.

O tecido é liofilizado e moído até formar um pó, e então liquefeito na forma de um fluido que pode ser facilmente injetado no coração.

Assim que ele atinge a temperatura corporal, o líquido transforma-se em um gel semi-sólido e poroso, que encoraja as células a repovoar as áreas de tecido cardíaco danificadas.

Os testes em porcos já foram concluídos. Esta é a última etapa antes do teste em humanos, que começará na Europa ainda neste ano.


Ver mais notícias sobre os temas:

Coração

Transplantes

Sistema Circulatório

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?