Hortelã, babosa e salgueiro entram na relação de Medicamentos do SUS

Alopáticos e fitoterápicos

O Ministério da Saúde divulgou a nova versão da Relação Nacional de Medicamentos (Rename).

A lista oficial de medicamentos do Sistema Único de Saúde (SUS) agora conta com 810 itens.

Entre as novidades estão a inclusão de cinco novos medicamentos alopáticos, que passam a ser fornecidos gratuitamente nas unidades básicas de saúde, e de três fitoterápicos de largo uso pela medicina popular.

Os medicamentos alopáticos Finasterida e a Doxasozina, indicados para o tratamento da hiperplasia prostática benigna (crescimento anormal da próstata), integram a lista.

Estão incluídos também os fitoterápicos: hortelã, para tratamento da síndrome do cólon irritável, babosa, para queimaduras e psoríase, e salgueiro, para dores lombares.

Conceito de medicamentos essenciais

A Relação Nacional de Medicamentos é atualizada a cada dois anos, mas, agora em 2012, a Rename ganhou outro conceito.

Até o ano passado só constavam desta relação medicamentos da atenção básica, considerados itens "essenciais" para a população brasileira; isto é, voltados para as condições mais recorrentes.

Até então, não estavam incluídos os medicamentos que tratam doenças raras e complexas, nem vacinas ou insumos.

"Este ano, a Rename foi elaborada a partir de um conceito mais amplo do que é essencial para a população. Todos os medicamentos de uso ambulatorial foram incluídos - entre eles, insumos e vacinas. Por isso, a lista mais do que dobrou de tamanho, ganhando 260 itens", explica o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Carlos Gadelha.

Só não constam da Rename/2012 os medicamentos oncológicos, oftalmológicos e aqueles usados em Urgências e Emergências. Esses produtos estão contemplados na Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde (Renases).

Fitoterápicos

O Ministério da Saúde passou a financiar fitoterápicos na rede pública de saúde a partir de 2007.

Inicialmente, apenas dois produtos constavam da lista do SUS. Atualmente, são 11 medicamentos.

Todos eles são fitoterápicos industrializados, ou seja, registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); portanto, com eficácia e segurança comprovadas.

Esses produtos, assim com os medicamentos tradicionais, passam por controle de qualidade e as empresas seguem as mesmas regras de boas práticas de fabricação utilizadas pelas fábricas dos alopáticos.

Nome popular

Nome científico

Indicação

Espinheira-santa

Maytenus ilicifolia

Dispepsias, coadjuvante no tratamento de gastrite e úlcera duodenal

Guaco

Mikania glomerata

Expectorante e broncodilatador

Alcachofra

Cynara scolymus

Colagogos e coleréticos em dispepsias associadas a disfunções hepatobiliares.

Aroeira

Schinus terebenthifolius

Produtos ginecológicos antiinfecciosos tópicos simples

Cáscara-sagrada

Rhamnus purshiana

Constipação ocasional

Garra-do-diabo

Harpagophytum procumbens

Antiinflamatório (oral) em dores lombares, osteoartrite

Isoflavona-de-soja

Glycine max

Climatério (Coadjuvante no alívio dos sintomas)

Unha-de-gato

Uncaria tomentosa

Antiinflamatório (oral e tópico) nos casos de artrite reumatóide, osteoartrite e como imunoestimulante

Hortelã

Mentha x piperita

Síndrome do cólon irritável

Babosa

Aloe vera

Queimaduras e psoríase

Salgueiro

Salix alba

Dor lombar

Listas municipais de medicamentos

Para obter (gratuitamente) os cinco novos e outros produtos incluídos no Sistema Único de Saúde a partir da Rename/2012, o usuário precisa apresentar receita médica às unidades do SUS.

Os municípios e estados têm autonomia para disponibilizar esses medicamentos conforme a demanda da população local.

Cada município faz sua própria lista - a Relação Municipal de Medicamentos (Remume). Esses itens são adquiridos com recursos próprios dos estados e dos municípios, complementados por recursos do Ministério da Saúde.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Medicamentos Naturais

Plantas Medicinais

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.