Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/01/2012

Pesquisa mostra início cada vez mais precoce da vida sexual

Redação do Diário da Saúde

Antecipação

A primeira relação sexual é considerada um marco importante na vida de jovens e, conforme indicam pesquisas, tem acontecido cada vez mais cedo.

Diante disso, pesquisadores da Universidade Católica de Pelotas elaboraram um estudo que teve como principal objetivo descrever os fatores associados à idade precoce da primeira relação sexual de jovens de 18 a 24 anos.

A pesquisa, publicada na edição de novembro dos Cadernos de Saúde Pública da Fiocruz, evidencia necessidade de orientação sexual adequada que inclua medidas preventivas, contribuindo para a promoção da saúde e bem-estar dos jovens.

Primeira relação sexual

O estudo foi realizado com 1.621 jovens, entre agosto de 2007 e dezembro de 2008, dos quais 1.468 já haviam tido sua primeira relação sexual.

A média de idade da primeira relação foi de 15,7 anos.

Os jovens que estudaram de 9 a 11 anos, não concluindo o Ensino Médio, tiveram maior prevalência (40,7%). Dentre os entrevistados, 54% eram do sexo feminino, 37,9% tinham os pais separados, 47,5% pertenciam à classe socioeconômica C e 30,5% relataram ser praticantes de alguma religião.

Entre os participantes, 13,9% fizeram uso de drogas ilícitas, 31,7% fumaram e 73,2% consumiram álcool nos últimos três meses. Do total, 83,1% não consumiram bebida alcoólica antes da última relação sexual e 58% usaram camisinha na última relação.

Iniciação sexual de homens e mulheres

Os resultados mostram que a possibilidade de iniciação sexual mais cedo é 41% maior entre os homens em comparação com as mulheres. Os estudiosos atribuem o fato a diferentes influências sociais e culturais de gênero relativas à prática sexual.

"Enquanto os homens têm sua iniciação sexual exigida como uma etapa simbólica de passagem à vida adulta, de forma oposta as mulheres ainda são pressionadas para abstinência antes do matrimônio", explicam.

A baixa renda familiar e pouca escolaridade são fatores fortemente associados à prática sexual precoce, conforme revela a pesquisa. Jovens com até quatro anos de estudos apresentam maior risco (41%) de iniciar vida sexual mais cedo do que os que possuem 12 anos ou mais de estudo.

"A vulnerabilidade social entre os jovens impõe a necessidade de trabalhar mais cedo, assumir maiores responsabilidades com o próprio sustento e dos que com ele moram, antecipando em anos algumas condutas, inclusive a sexual", acreditam os estudiosos.

Família e escola

O estudo aponta que a ausência de prática religiosa e ter pais separados também influenciam na iniciação sexual precoce do adolescente.

Jovens que não fizeram uso do preservativo na última relação também apresentaram iniciação sexual mais cedo e indivíduos que fizeram uso de tabaco e drogas ilícitas nos últimos três meses tiveram maior risco para menor idade no início da prática sexual.

Os resultados revelam significativa associação entre iniciação sexual precoce e comportamento sexual de risco, de acordo com os estudiosos.

"É marcadamente sabido que um início sexual precoce acarreta não só mais parceiros ao longo da vida, mas também chances maiores de doenças sexuais, comportamento antissocial e gestações indesejadas, e está intimamente ligado às bases familiares e experiências de amigos", afirmam.

Diante dos resultados, os pesquisadores sugerem a adoção de educação sexual formal que minimize os riscos da prática sexual precoce. "As participações da família, da escola, de campanhas voltadas à prevenção de DST fazem-se necessárias e devem dirigir esforços para orientar os jovens com relação às DST e gestações indesejadas", propõem.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sexualidade

Educação

Relacionamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão