Jogo de biologia faz estudantes brincarem de cientistas

Jogo de biologia faz estudantes brincarem de cientistas
O jogo permite que os estudantes entendam, de forma lúdica, como os cientistas construíram alguns conceitos fundamentais relacionados às células.
[Imagem: Gutemberg Brito/Fiocruz]

Brincando de cientista

Um jogo de tabuleiro, quatro duplas e um desafio: solucionar casos sobre biologia celular, molecular e fisiologia, "viajando" em organelas e estruturas celulares.

É assim que estudantes dos ensinos médio e superior poderão aprender mais sobre o tema com o jogo Célula Adentro, desenvolvido pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) em parceria com o Instituto de Biologia da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Idealizado inicialmente numa disciplina oferecida pelo Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC, o jogo é formulado a partir da abordagem do aprendizado pela solução de problemas (em inglês, Problem Based Learning) e permite que os estudantes entendam, de forma lúdica, como os cientistas construíram alguns conceitos fundamentais relacionados às células, fazendo com que eles ajam como investigadores, simulando o método científico ao formular perguntas e buscar chegar a respostas.

"O jogo traz alegria para a sala de aula, permite que os alunos e professores brinquem com a conduta dos pesquisadores e desperta o interesse pela investigação científica. A ideia surgiu em 1996. Depois disso, já foi tema de teses de mestrado e de doutorado no Programa de Pós-graduação de Biologia Celular e Molecular do IOC e foi avaliado positivamente em escolas de ensino médio e universidades do Brasil e do exterior", ressalta a pesquisadora Tania Araújo-Jorge, pesquisadora do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC e uma das coordenadoras do projeto.

Célula Adentro

Para professora da UFF, também pesquisadora do laboratório do IOC e idealizadora do projeto, Carolina Spiegel, explica que o objetivo é desafiar os alunos.

"A ideia é que eles coletem, discutam e interpretem pistas para decifrar questões científicas. Para isso, são propostos diversos casos abordando aspectos relacionados ao estudo da célula: O Hóspede do Barulho (sobre a origem da mitocôndria), O Caso da Membrana Plasmática, Surfando na Célula (que tem como tema a infecção viral), Um por Todos (que aborda a morte celular) e A Pérola do Nilo (sobre biologia forense)", explica.

Segundo Carolina, o Célula Adentro é diferente de outros jogos de pergunta e resposta.

"O jogo é baseado na interpretação de pistas que podem conter esquemas, figuras, experiências ou resultados científicos originais com os quais a comunidade científica se deparou. Com isso, os estudantes são motivados a agir como investigadores, fazendo anotações, debatendo e chegando a suas próprias conclusões", ressalta.

"Ao escrever a solução dos casos, os alunos estão reproduzindo suas próprias ideias e conclusões, e não apenas repetindo informações ouvidas em sala de aula ou lidas em livros. Eles aprendem brincando", resume a pesquisadora.

Jogo cooperativo

O jogo é cooperativo: as equipes jogam juntas para resolver o caso, colaborando entre si e correndo contra o tempo. Deste modo, todos vencem ou perdem juntos.

As equipes têm 30 minutos para coletar, de forma independente, as dez pistas disponíveis. Ao fim do tempo de coleta, o participante Coordenador recolhe e guarda as Cartas de Pista e cada dupla apresenta as suas pistas.

Em seguida, as equipes se juntam, formando um único grupo, que tem 20 minutos para discutir e propor uma solução única do caso, que deve ser lida em voz alta para todos. Se a resposta do grupo estiver correta, todos ganham. O jogo possui ainda minidicionário com termos relacionados ao tema presentes nas pistas.

Em Célula Adentro, o professor também é parte integrante do jogo e desempenha um papel fundamental. "Ele deve estimular a discussão e fazer com que os alunos debatam sobre o assunto. Do ponto de vista pedagógico, a discussão é parte do jogo e, neste sentido, o professor não deve dar as respostas aos alunos, mas mediar o debate.

Ao final do jogo, o papel do professor torna-se mais evidente, pois ele deve coordenar a discussão, apresentando pista por pista para garantir que as dúvidas, curiosidades e questionamentos em relação ao vocabulário, aos gráficos e aos experimentos fiquem claros para os alunos", avalia Carolina.

A formulação pedagógica de Célula Adentro está de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, que destaca a importância de levar ao aluno a prática de investigação científica e tecnológica. "O projeto poderia ter sido desenvolvido em forma de estudo dirigido, mas optamos pelo jogo pela possibilidade de transformar o processo de aquisição de conhecimento em uma atividade atrativa, interativa e agradável para os estudantes", enfatiza a pesquisadora.

Avaliação pedagógica

Em estudo recente, que deu origem à dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-graduação de Ensino em Biociências e Saúde do IOC, foi verificada a aceitação do Célula Adentro entre o público jovem.

No trabalho, que envolveu 605 alunos de escolas públicas e privadas, 94% dos jogadores declararam que gostariam de jogar novamente, porque consideravam o jogo divertido e bom para o aprendizado. "A maior parte dos alunos chegou à solução dos casos propostos, construindo conceitos de biologia de forma dinâmica e reforçando os conhecimentos sobre outros conteúdos. Além disso, as observações realizadas no estudo sugeriram um importante papel do trabalho em grupo (em pares ou trios) para atingir os principais objetivos dos jogos educacionais", reforça Carolina.

O Célula Adentro também foi avaliado e obteve boa aceitação em universidades do Rio de Janeiro e em escolas na Suíça (estudo que gerou tese de doutorado, também defendida no Instituto). "Os resultados apontam para uma boa aceitação do jogo como estratégia de ensino por parte dos professores entrevistados, não apenas por seu caráter lúdico, mas também pelo desenvolvimento de importantes habilidades", declara Carolina.

"Os resultados indicaram, portanto, que o jogo é motivador, estimula o raciocínio, gera o entrosamento e troca de ideias entre os alunos e, principalmente, torna lúdico o aprendizado em temas de biologia celular e molecular. Dessa forma, este jogo tem grande potencial para o uso na difusão de ciências entre jovens de diferentes faixas etárias e níveis de escolaridade", finaliza.

O jogo está disponível para download gratuito e impressão no site www.ioc.fiocruz.br/celulaadentro.


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Diversão

Células-tronco

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.