Lágrimas no trabalho: Mulheres gastam tempo e esforço para esconder choro

Escondendo as lágrimas

Profissionais femininas gastam uma quantidade significativa de tempo e esforço escondendo as lágrimas no trabalho. Elas podem sair de uma reunião, fechar-se na sala com a porta trancada ou esconder-se em um box do banheiro até que o choro passe.

A pesquisa foi feita pela professora Kimberly Elsbach, da Universidade da California, em Davis, Estados Unidos.

Choro no ambiente de trabalho

"É uma sobrecarga enorme que os homens não possuem," diz Elsbach, que está há vários meses desenvolvendo um estudo que pesquisa o choro no ambiente de trabalho.

"Tipicamente os homens não choram tão freqüentemente quanto as mulheres, e não têm que gastar muito tempo ou energia tentando suprimir as lágrimas no trabalho," diz ela.

A maioria das pesquisas anteriores focava as razões por que as pessoas choram e o impacto do choro em sua saúde e em seu bem-estar. Elsbach, que é especialista em comportamento organizacional, está entre os primeiros pesquisadores a explorar as conseqüências profissionais de se chorar no ambiente de trabalho.

Ela fez entrevistas com cerca de uma dúzia de profissionais femininas até agora. "Todas as mulheres já choraram no trabalho - a maioria diz que foi muito difícil esconder o choro," conta ela.

Lágrimas falsas e lágrimas sinceras

Pesquisas anteriores descobriram que em todas as culturas as mulheres tendem a chorar mais do que os homens devido à frustração, ao stress e à raiva, ou em resposta a críticas.

Estas pesquisas sugerem que o ato de chorar é percebido de forma mais positiva se ele for visto como sincero, ao contrário de manipulativo, e se ele parece justificado - em resposta a uma ameaça, por exemplo.

Além de estudar as conseqüências profissionais de chorar no ambiente de trabalho, Elsbach está também explorando os fatores que fazem as lágrimas parecerem sinceras ou falsas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Trabalho e Emprego

Sentimentos

Gênero

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.