Lesão medular contornada por estimuladores acionados por luz

Lesão medular contornada por estimuladores acionados por luz
Cada microestimulador é feito de um material semicondutor, semelhante ao usado na fabricação de processadores de computador.
[Imagem: NJIT]

Estimulação por luz

Cientistas estão testando um minúsculo estimulador, acionado por luz, que pode ajudar pessoas paralisadas por lesão medular a recuperar parte dos movimentos.

Mesut Sahin e seus colegas do Instituto de Tecnologia de Nova Jérsei (EUA) afirmam que seus dispositivos sem fios (wireless) poderão ser úteis para pacientes com lesão na medula espinhal.

A tecnologia foi batizada de FLAMES (floating light activated micro-electrical stimulators, estimuladores microelétricos flutuantes ativados por luz, em tradução livre).

Microestimuladores medulares

Cada microestimulador é feito de um material semicondutor, semelhante ao usado na fabricação de processadores de computador.

Cada microestimulador é implantado em um ponto da medula, logo abaixo da lesão. O termo flutuante no nome da tecnologia refere-se ao fato de que cada um deles fica "solto", ou seja, pode mover-se pelo tecido.

Depois de implantados, os estimuladores são ativados por um feixe de luz infravermelha disparada por um laser através de uma fibra óptica.

Como a ativação é feita por luz, não há fios de interligação, o que torna este um implante wireless.

Movimentos computadorizados

Controlando a intensidade da luz, os pesquisadores demonstraram que é possível energizar os microestimuladores que, por sua vez, acionam os nervos na medula espinhal exatamente abaixo do ponto da lesão.

Isto permite movimentar os músculos que estavam paralisados - tudo o que um paciente terá que fazer será apertar um botão ou dar um comando de voz para acionar o laser infravermelho e ativar o microestimulador desejado.

Futuramente, esse controle poderá ser computadorizado, para permitir movimentos ritmados, como andar ou mover os braços de forma controlada.

Recuperação de movimentos

"Nossos testes in vivo sugerem que a tecnologia Flames pode ser usada para estimulação intra-espinhal mesmo nos pontos mais profundos do implante," afirma Sahin.

Os testes in vivo foram feitos em cobaias, o que é a última etapa antes que uma tecnologia possa ser testada em seres humanos.

"Nós esperamos que, assim que a Flames avance para o estágio clínico, os pacientes paralisados por lesão medular possam recuperar funções vitais," afirmou Sahin.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Fraturas

Robótica

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.