Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

09/12/2013

Liberais sentem-se únicos demais, conservadores sentem-se iguais demais

Redação do Diário da Saúde

Pessoas politicamente liberais - do centro para a esquerda do espectro político - tendem a subestimar o nível de concordância real que existe entre aqueles que compartilham de suas ideias.

Já os moderados e conservadores - do centro para a direita do espectro político - tendem a superestimar o nível de acordo que há entre os de sua ideologia.

Os liberais apresentaram o que os pesquisadores chamam de "singularidade verdadeiramente falsa" (sic), acreditando que haveria um nível de divergência de outros liberais muito maior do que existia de fato.

Os moderados e conservadores, por outro lado, mostraram evidências de "consenso verdadeiramente falso" (sic), acreditando que todos aqueles que compartilham sua ideologia concordavam sobre suas ideias - algo que não se confirma na prática.

Minoria e maioria

Quando tentaram detalhar esses julgamentos sobre o próprio grupo, os pesquisadores constataram que o relacionamento intragrupo é motivado pelo desejo dos participantes de se sentirem únicos ou não.

Os liberais gostam de se afirmar, não se importando de pertencer a uma minoria. Já os conservadores acham importante sentir-se parte de um grupo que, pretensamente, pensa igual - eles odeiam ser minoria.

Assim, os liberais mostram um forte desejo de singularidade e originalidade, enquanto os moderados e conservadores gostam mais de se sentir parte de um grupo que os apoia e pensa igual a eles - ou pelo menos que eles imaginam que pensam igual a eles.

Isso está de acordo com estudos que analisaram o reverso da medalha, mostrando que a reação aos outros pode revelar as preferências políticas de uma pessoa.

Política e café

Surpreendentemente, essas tendências surgiram mesmo quando os participantes do estudo estavam avaliando questões que nada têm a ver com a política - "Eu gosto de café", por exemplo.

Os liberais se mostraram crentes de que suas preferências tinham uma discrepância das de outros liberais muito maior do que realmente tinham, enquanto os conservadores acreditavam que suas preferências eram mais semelhantes das de outros conservadores do que realmente eram.

Como a percepção de consenso dentro dos grupos pode ser um motivador importante para a mudança social, esses resultados podem ajudar a explicar por que os movimentos liberais e conservadores desenvolvem trajetórias políticas tão diferentes - os liberais são conhecidos por querer transformar e tornar as coisas diferentes, enquanto os conservadores preferem "conservar" tudo, ou quase tudo, como está.

"Os movimentos sociais liberais podem ter dificuldade para desenvolver a solidariedade e formular objetivos comuns dentro de suas fileiras, tanto porque os liberais querem manter crenças únicas, quanto porque eles subestimam o nível de acordo entre os seus colegas," explicam Chadly Stern, Tessa West e Peter Schmitt, da Universidade de Nova Iorque, em artigo publicado na renomada Psychological Science.

"Movimentos sociais conservadores inicialmente podem capitalizar com a percepção de acordo para estimular suas fileiras, mas suas percepções imprecisas podem prejudicar o progresso do grupo quando um acordo real é necessário," concluem eles.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Relacionamentos

Sentimentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão