Luz no ponto certo do cérebro melhora a motivação

Luz para o cérebro

Pesquisadores já usaram luz para controlar o cérebro de macacos e demonstraram que neurônios individuais podem ser desligados com luz.

Mas a equipe do professor Karl Deisseroth, da Universidade de Stanford, tem mais interesse em explorar o uso da luz para lidar com os comportamentos.

Há cerca de um ano, eles mostraram que é possível controlar a ansiedade iluminando o cérebro:

Agora a equipe se voltou para o oposto da ansiedade, a depressão.

E os resultados com experimentos em animais foram novamente encorajadores.

Luz para a depressão

O objetivo da equipe é descobrir formas não medicamentosas e não invasivas para lidar com a depressão.

Para isso eles se voltaram para a motivação.

Primeiro os cientistas identificaram áreas no córtex pré-frontal medial associados com a motivação.

Esses neurônios ficam inativos quando os animais desistem de cumprir uma tarefa - nadar para sair de um tanque de água sem saída - mas permanecem ativos nos animais que ficam parados em uma situação normal, fora da água.

Luz no ponto certo do cérebro melhorar a motivação
O gráfico da esquerda mostra a queda na motivação do animal. À direita, a recuperação da motivação, à medida que o mesmo animal tinha seu cérebro iluminado.
[Imagem: Melissa R. Warden et al./Nature]

Ligando a motivação

Melissa Warden partiu então para tentar religar a motivação nos animais que a perderam, algo que os cientistas acreditam ser uma marca típica dos pacientes com depressão.

Usando uma fibra óptica, ela iluminou a região do cérebro relacionada com a motivação.

O resultado é quase como um interruptor de luz acendendo uma lâmpada: tão logo a luz foi acesa, os animais que haviam desistido voltaram a nadar para tentar sair do tanque.

Os resultados foram publicados na revista Nature. Ainda não há previsão da repetição dos experimentos em humanos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.