Luz guia células imunológicas para destruir tumores

Luz guia células imunológicas para destruir tumores
O próximo passo é desenvolver um chip óptico sem fios, para levar a luz até pontos profundos no organismo.
[Imagem: Kyun-Do Kim et al. - 10.1038/ncomms15365]

Imunidade controlada por luz

Pesquisadores descobriram uma maneira simples e prática de usar a luz para guiar células do sistema imunológico em direção a tumores.

Este é um passo importante na complicada ciência por trás de aproveitar o nosso próprio sistema imunológico para combater o câncer, em vez de depender da injeção de drogas agressivas.

O professor Minsoo Kim, da Universidade de Rochester (EUA), descreve o método desenvolvido por sua equipe como um passo à frente da atual imunoterapia, um conceito promissor mas que ainda não vem dando todos os resultados esperados.

A imunoterapia é diferente da radiação ou da quimioterapia. Em vez de matar diretamente as células cancerosas, a técnica diz ao sistema imunológico para agir de determinadas maneiras, estimulando as células T para atacar a doença.

O problema é que as técnicas desenvolvidas até agora fazem com que o sistema imunológico reaja demais ou de menos, explicou Kim. Além disso, as células cancerosas são evasivas e podem se esconder das células T matadoras. Os tumores agressivos também suprimem o sistema imunológico nas áreas que rodeiam a malignidade (chamado microambiente), mantendo as células T do lado de fora.

Imunoterapia óptica

A equipe se concentrou justamente em como invadir o ambiente imunossupressor que o câncer cria, o que foi feito com duas técnicas complementares.

Em primeiro lugar, um estudo biológico buscou desenvolver moléculas sensíveis à luz capazes de guiar as células T em direção aos tumores de forma eficiente. A melhor candidata encontrada até agora é uma molécula chamada canalrodopsina (CatCh), que é ativa em algas e é sensível à luz. Ela pode ser introduzida no sistema imunológico através de um vírus benigno - como já é feito em terapias gênicas e em vacinas - e ativada para controlar a resposta das células T matadoras.

Em segundo lugar, a equipe desenvolveu um chip com LEDs minúsculos para testar a técnica em camundongos. A ideia é que, no futuro, esse chip possa ser implantado em seres humanos.

O controle óptico mostrou-se suficiente para permitir que o sistema imunológico eliminasse quase por completo o melanoma, sem efeitos colaterais tóxicos, escreveu a equipe em seu artigo, publicado na revista Nature Communications.

Agora a equipe pretende fazer novos testes para verificar se o sinal de uma nova versão do LED sem fios consegue transmitir luz até um tumor localizado mais profundamente - os testes foram feitos em um melanoma, um tipo câncer que fica na superfície da pele.


Ver mais notícias sobre os temas:

Fotônica

Câncer

Sistema Imunológico

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.