Maioria de sites encoraja suicídio ao invés de dissuadir e ajudar

A conclusão é de estudo feito por pesquisadores das universidades de Bristol, Manchester e Oxford, no Reino Unido, e publicado no British Medical Journal.

Influências sobre o suicida

Trabalhos anteriores apontaram a influência, no comportamento do suicida, de reportagens publicadas pela imprensa e da abordagem feita por programas de televisão sobre o assunto, especialmente a respeito de métodos usados, mas pouco se sabia sobre o impacto da internet.

Os cientistas britânicos realizaram diversas buscas na tentativa de replicar o uso típico de um indivíduo que procurasse pelo tema suicídio na internet. Foram utilizados quatro serviços de busca populares: Google, Yahoo, MSN e Ask.

Suicídio na Internet

Em seguida, os autores empregaram 12 diferentes termos e analisaram os dez primeiros sites retornados por cada uma das ferramentas de busca. Do total de 480 sites, um pouco menos da metade trazia informações sobre métodos usados em suicídios.

Desses sites com informações, 90 eram de sites dedicados principalmente ao suicídio, sendo que metade deles, segundo os autores, "encorajava, promovia ou facilitava" o ato. Dos 480 sites, 43 continham relatos de métodos usados em suicídios e discutiam prós e contras de cada um deles, sendo que dois deles retratavam o suicído como se fosse moda.

Foram encontrados ainda 12 salas de bate-papo ou fóruns de discussão que abordavam métodos usados em suicídios. Do total de sites, 62 (13%) estavam centrados na prevenção e apoio e 59 (12%) desencorajavam o ato.

Incentivos

Os pesquisadores verificaram que quase todos os sites dedicados ao suicídio forneciam informações sobre métodos. Mas o mesmo tipo de informação foi encontrado em um quinto das páginas de apoio e prevenção, em 55% dos sites de pesquisa e de organizações que lidam com o tema e na totalidade dos textos publicados sobre o assunto em serviços noticiosos.

Os três sites (Alt Suicide Holliday, Satan Service e Suicide Methods) mais populares eram os mesmos com a maior quantidade de informações a favor do suicídio, entre as quais métodos, velocidade, exatidão e até mesmo a quantidade de dor esperada em cada uma das alternativas.

Ética e cuidados

Para tentar diminuir o possível efeito danoso dos sites que advogam o suicídio, os autores do estudo sugerem a auto-regulação dos provedores de internet e o uso, pelos pais, de programas que filtrem páginas de internet.

Entretanto, destacam que "qualquer tentativa de controlar a promoção do suicídio precisa levar em consideração o equilíbrio entre liberdade de expressão, a proteção ao público e a natureza global da internet".


Ver mais notícias sobre os temas:

Bem-estar emocional

Sentimentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.