Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

13/03/2012

Medicamento ajuda a eliminar HIV escondido

Lisa Chensvold

Vírus latente

Uma equipe de pesquisadores conseguiu eliminar a infecção causada por HIV latente em pacientes com AIDS usando um medicamento usado para tratar certos tipos de linfoma.

Embora as atuais terapias anti-retrovirais sejam muito eficazes no controle dos níveis do vírus, elas não conseguem eliminar totalmente o vírus das células e tecidos infectados.

Ficam para trás os chamados vírus latentes. É por isso que a AIDS retorna se a terapia com os anti-retrovirais for interrompida.

Eliminar os HIV latentes no sistema imunológico é uma etapa crítica para encontrar uma cura para a AIDS.

Mecanismo biológico

"O uso de terapia anti-retroviral por toda a vida é problemático por várias razões, entre elas a resistência a medicamentos, os efeitos colaterais e o custo", explica o Dr. David Margolis, da Universidade de Carolina do Norte (EUA). "Precisamos empregar melhores estratégias de longo prazo, incluindo uma cura."

O novo estudo é o primeiro a demonstrar que o mecanismo biológico que mantém o vírus HIV oculto e inatingível pelas atuais terapias antivirais pode ser alvejado e interrompido em seres humanos, trazendo novas esperanças de uma estratégia para erradicar completamente o HIV.

Estudos recentes mostraram que o vorinostat também ataca as enzimas que mantêm o HIV escondido em células T CD4+, células especializadas do sistema imunológico que o vírus usa para se replicar.

Tirando o HIV do esconderijo

Em um ensaio clínico, seis homens infectados pelo HIV que estavam clinicamente estáveis usando as drogas anti-Aids, receberam vorinostat, uma droga oncológica.

Dentro de algumas horas após terem recebido o vorinostat, todos os seis pacientes apresentaram um aumento significativo no RNA do HIV nestas células, uma evidência de que o vírus estava sendo forçado a sair do seu esconderijo.

"Isso prova pela primeira vez que há maneiras de tratar especificamente a latência viral, o primeiro passo para curar a infecção pelo HIV", disse Margolis.

"Isso mostra que essa classe de fármacos, os inibidores HDAC, pode atacar vírus persistentes. O vorinostat pode não ser a solução mágica, mas esse sucesso nos mostra uma nova forma de testar drogas para alvejar a latência, e sugere que podemos desbravar um caminho que pode levar a uma cura para a AIDS."


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Vírus

Medicamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento