Medicamentos e aparelhos estratégicos para o SUS serão nacionalizados

O Brasil vai produzir 15 equipamentos e quatro medicamentos considerados estratégicos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Os itens atendem principalmente tratamentos cardíacos e renais, mas também cobrem as áreas oftalmológica, oncológica, de transplante e diagnóstico e monitoração.

A expectativa é que a produção nacional desses aparelhos e medicamentos gere aos cofres públicos uma economia de R$ 5,5 bilhões em cinco anos.

O processo de nacionalização envolve sete laboratórios públicos e oito privados.

"Essas parcerias permitem, de um lado, construir uma indústria inovadora, com grande produtividade e incorporação tecnológica, e, ao mesmo tempo, o que é o nosso diferencial, ampliar o acesso da população aos produtos. Modelos de países com inovação tecnológica onde só 10% têm acesso aos equipamentos e medicamentos não nos interessam," disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Equipamentos e vacinas

Entre os equipamentos que serão nacionalizados estão dois para hemodiálise - filtro dialisador e máquina - que, sozinhos, vão permitir uma redução de R$ 108 milhões por ano em gastos do SUS.

As parcerias na área de cardiologia incluem a fabricação de marcapassos, eletrodos, stents coronários e arteriais, desfibriladores e cateteres.

Entre os produtos que passarão a ser produzidos nacionalmente também estão a vacina contra o HPV e a dTpa (difteria, tétano e coqueluche).


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Equipamentos Médicos

Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.